O DISCÍPULO E A VONTADE DE DEUS

(Texto Bíblico: Rom 12:1-2)

 

                Deus deseja revelar a sua vontade a cada ser humano. Ele tem prazer em que andemos segundo o seu querer. Neste sentido ele tem tomado todas as providências para que conheçamos a sua vontade.

            Há uma distinção importante quando se trata deste assunto: a vontade objetiva de Deus e a vontade permissiva de Deus. Há coisas que Deus determina em nossa vida pela sua vontade objetiva. Sempre são coisas positivas e boas. Por outro lado, há situações em nossas vidas que não constituem a vontade objetiva de Deus, mas a sua vontade permissiva, isto é, ele não planejou que fosse assim, mas permite que o seja em favor de seus propósitos eternos e sábios. Porém, Deus tem um compromisso de estar sempre conosco, dar-nos a sua graça e transformar as coisas em bênçãos para nós.

 

CONDIÇÕES PARA CONHECERMOS A VONTADE DE DEUS

 

             1. Novo nascimento

             O primeiro passo para a realização da vontade de Deus na vida de uma pessoa é que ela reconheça sua condição de pecadora e se torne nova criatura, pelo poder de Jesus Cristo. A Bíblia chama isto de novo nascimento. O novo nascimento é condição fundamental para vivermos a vida que agrada a Deus.

 

             2. Percepção Espiritual

            A Bíblia diz: "Ora o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque para ele são loucura;  e não pode entendê-las, porque elas se discerne espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo..." (I Cor. 2: 14,15).

 

             3.Vida Pura

  Nossa comunhão com Deus se estabelece e se mantém a partir de uma vida pura e santificada. A Bíblia diz: "As vossas iniqüidades fazem  separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados esconderam o seu rosto de vós, de modo que não vos ouça" (Is 59:2). Logo, se a nossa vida está contaminada com o pecado, a comunhão com Deus fica bloqueada e a percepção espiritual prejudicada.

 

4. Disposição de Obediência

Deus não nos revela a sua vontade simplesmente para satisfazer a nossa curiosidade. Ele o faz para orientar a nossa vida. Por isso, para conhecer o que Deus quer, precisamos decidir antecipadamente que vamos ser obedientes ao que o Senhor nos revelar, não importa o preço que tenhamos de pagar. Isto sempre envolve uma significativa medida de fé e confiança na sabedoria de Deus.

 

RESULTADOS DE ESTARMOS NO CENTRO DA VONTADE DE DEUS

 

1. Paz

O desejo de Deus é que desfrutemos permanente e inabalável paz interior. Isto só é possível enquanto estamos dentro da vontade de Deus. Quando o crente peca ou decide de modo errado, a sua consciência é imediatamente incomodada pelo Espírito Santo. É uma espécie de alarme com que somos dotados na vida espiritual. O apóstolo Paulo ensina: "E a paz de Cristo, para a qual fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações; e sede agradecidos" (Col 3:15).

 

2. Êxito

Deus deseja que seus filhos sejam bem sucedidos. A Bíblia está repleta de afirmações que expressam essa verdade (Sa. 1:3; Gen 39:3,23). Não agrada ao Senhor que sejamos  fracassados. Mas, o sucesso depende de nossa obediência à voz do Espírito Santo. Não é prudente fechar os ouvidos ou anestesiar a consciência diante dos amorosos sussurros do Espírito de Deus em nossos corações.

                                                                                                                                                                                                                                                    

3. Garantia

Não nos arriscaríamos a fazer a vontade de Deus se não tivéssemos as garantias de sua Palavra. Conhecemos o caráter de  Deus  (I Cor 1:9; Heb 10:23)  e  sabemos  que  ele  não  mente (Num 23:19), nem se esquece de seu compromisso conosco (Is 49:15). Quando somos obedientes, Deus assume toda a responsabilidade.

 

4. Convicção

Quando decidimos fazer a vontade de Deus sabemos que teremos de pagar um alto preço. Muitas pessoas vão discordar de nós, outras vão nos ridicularizar e seremos chamados de loucos ou alienados. Às vezes, seremos até perseguidos. Os resultados positivos de nossa obediência nem sempre surgirão de imediato. Para nos mantermos firmes precisamos de convicção - aquela certeza de que estamos fazendo o que devemos fazer, mesmo que tudo indique o contrário.

Nossas decisões não devem ser motivadas por interesses secundários, nem devem ser o resultado de pressões sociais ou constrangimentos pessoais. O único imperativo para nossas decisões há de ser a vontade sábia e soberana de Deus. Ele sabe o que é melhor para nós, porque nós só vemos até a próxima curva da estrada, mas Deus vê depois da curva, lá na frente, porque vê de cima, onde a perspectiva é perfeita.

O segredo de sermos felizes e desfrutarmos perfeita paz interior não são as circunstâncias que nos rodeiam, mas a certeza de que estamos exatamente no centro da vontade de Deus. Isto é o melhor da vida.

                                                                                                                                                          

Neusa Rocha de Souza

Bel em Teologia

 

 

(Transcrito do livro: Maturidade Cristã da Junta de Missões Nacionais da CBB. Impresso pela Juerpe)

VOLTAR