O NOVO TESTAMENTO

COMO UM TODO

APOCALIPSE

AUTOR: JOÃO

TITO

AUTOR: PAULO

II TIMÓTEO

AUTOR: PAULO

I TIMÓTEO

AUTOR: PAULO

II TESSALONI-CENSES

AUTOR: PAULO

JUDAS

AUTOR: JUDAS

 

FILEMOM

AUTOR: PAULO

 

I TESSALONI-CENSES

AUTOR: PAULO

III JOÃO

AUTOR: JOÃO

     

COLOSSENSES

AUTOR: PAULO

II JOÃO

AUTOR: JOÃO

     

FILIPENSES

AUTOR: PAULO

I JOÃO

AUTOR: JOÃO

 

TEMA SUPREMO:

O SENHOR JESUS CRISTO

 

EFÉSIOS

AUTOR: PAULO

II PEDRO

AUTOR: PEDRO

 

OBJETIVO SUPREMO:

SALVAÇÃO DOS SERES HUMANOS

 

GÁLATAS

AUTOR: PAULO

I PEDRO

AUTOR: PEDRO

 

PROJETO SUPREMO:

REINADO FINAL DO SENHOR JESUS CRISTO NUM IMPÉRIO SEM LIMITES E ETERNO

 

II CORÍNTIOS

AUTOR: PAULO

TIAGO

AUTOR: TIAGO

     

I CORÍNTIOS

AUTOR: PAULO

HEBREUS

AUTOR: ?

     

ROMANOS

AUTOR: PAULO

 

MATEUS

AUTOR: MATEUS

 

MARCOS

AUTOR: MARCOS

LUCAS

AUTOR:

LUCAS

JOÃO

AUTOR:

JOÃO

ATOS

AUTOR:

LUCAS

Legenda

 

- Os evangelhos e os Atos

 

- Epístolas Cristãs Hebraicas

 

- Epístolas da Igreja Cristã

 

- Epístolas Pastorais

NOVO TESTAMENTO

Objetivo da disciplina:

a) Levar o aluno a um conhecimento introdutório do Novo Testamento.
b) Despertar no aluno um profundo amor pelos ensinamentos do Novo Testamento.
c) Incentivar o aluno a continuar aprofundando-se no estudo do Novo Testamento, buscando assim crescimento espiritual.
d) Levar o aluno a ter convicção inabalável da integridade, autoridade e inspiração divina do Novo Testamento.

Visão Global

A Bíblia é uma verdadeira biblioteca de 66 livros, divididos em duas partes: Velho Testamento com 39 livros e Novo Testamento com 27 livros. Trabalharam nesses 66 livros, quarenta pessoas. Cada escritor manifesta o seu próprio estilo e características. Entretanto, há na Bíblia um só plano, que de fato nos mostra um só autor divino, guiando os humanos.

O nosso estudo será o Novo Testamento, porém devemos ter em mente que o Novo Testamento está muito entrelaçado com o VT e vice-versa. Há 1.040 citações de referências ao Velho Testamento no Novo. Cristo é o tema do NT. Ele que é a super-esperança do Velho é o super-fato do Novo. A expectativa do Velho tornou-se a experiência do Novo. A previsão transformou-se em provisão. Podemos então dizer como Jó : "Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te vêem" (Jó 42 : 5 ). Pois nas Escrituras anteriores ouvimos falar dEle, mas através dos Evangelhos " os nossos olhos O vêem". Mudou-se do que era distante judeu para o que é definitivamente cristão, da velha aliança para nova aliança ; de Moisés para Cristo ; da lei para graça.

Divisão do Novo Testamento - Segundo a ordem na Bíblia :

1. Os Evangelhos

04

2. Livro histórico

01

3. As Epístolas

21

4. Livro profético

01

Total

27

O NT foi escrito na sua maioria em grego. O grego usado foi "Koiné" e não o clássico. Algumas palavras foram escritas em aramaico . Ex: Mt 27:46 - "Elií, lama, sabáctani"; Mc 5:41 - "Talita Cumi"; Mc 7:37 - "Efata" ; I Cor 16 : 22 - "Maranata" ; Rom 8:15 - "Abba".
Autores que eram apóstolos: Mateus, João, Pedro, (Paulo - Ef 1:1, Gl 1:1)
Epístola que Paulo escreveu em sua 1ª prisão em Roma: Efésios, Filipenses, Colossenses, Filemom.
Epístolas Pessoais : 1ª 2ª Timóteo, Tito, Filemom, 2ª 3ª João.
Livros pessoais: Lucas e Atos.

Síntese do Novo Testamento

1. Os Evangelhos - manifestação do Evangelho
Questão central:a carreira terrena de Jesus Cristo, o filho de Deus humano.
2. Atos - Propagação do Evangelho. Os resultados da morte e da ressurreição de Cristo, com a propagação das "Boas Novas" por impulso e liderança do Espírito Santo, começando em Jerusalém, Judéia, Samaria e até os confins da terra.
3. Epístolas - explicação do Evangelho. As explicações e os conselhos dados pelos apóstolos às igrejas cristãs, ainda no berço, onde são fixadas as doutrinas que devem ser cridas, vividas e defendidas pelo cristão de todos os séculos.
4. Apocalipse - consumação. Sob a forma simbólica de grandiosas visões, a predição infalível de como o Reino de Deus haverá de tornar-se uma realidade sobra a terra, por ocasião do Milênio; e como em seguida, o Senhor restaurará céus e terra, devolvendo, assim, o Paraíso aos remidos ao preço do sangue de Deus-homem, Jesus Cristo.

Bibliografia: Baxter, Examinai as Escrituras, Período Interbíblico e os Evangelhos.
Ferreira A. Júlio, Conheça a sua Bíblia, Volume 5
Packer, Tenney, William O Mundo do Novo Testamento

OS QUATRO EVANGELHOS EM CONJUNTO

A primeira pergunta que surge, antes de começar o estudo dos Evangelhos é : por que há quatro Evangelhos, especialmente quando os três primeiros parecem abranger quase o mesmo assunto? Um só não seria melhor? A primeira resposta é porque Deus assim o quis: mas podemos acrescentar que existem razões claras para Deus ter feito isso. Nos tempos apostólicos, existiam quatro classes representativas do povo- judeus, romanos, gregos e um corpo tomado das três classes- a igreja. Cada um dos evangelistas escreveu para uma dessas classes, adaptando-se ao seu caráter, às suas necessidades e ideais.

Mateus, sabendo que os judeus aguardavam ansiosos a vinda do Messias prometido no Antigo Testamento, apresenta Jesus como o Messias. Lucas escrevendo para um povo culto, os gregos, cujo ideal era o homem perfeito, faz com que o seu livro focalizasse a pessoa de Cristo como a expressão desse ideal. Marcos escreveu aos romanos, um povo cujo ideal era o poder e o serviço, e ele descreveu Cristo como o Conquistador Poderoso. João tinha em mente as necessidades dos cristãos de todas as nações e assim apresenta as verdades mais profundas do Evangelho, entre as quais mencionamos os ensinos acerca da divindade de Cristo e do Espírito Santo.

Outro aspecto que chama a nossa atenção é o fato que Mateus, Marcos e Lucas cobrem quase o mesmo terreno e João trata em sua maior parte de matéria não mencionada por eles. João não repete, senão, num só caso, os milagres narrados nos Evangelhos sinóticos e esse único é o da multiplicação dos pães; embora seja apresentado de modo mais completo no que diz respeito à significação do próprio milagre (João 6). Os primeiros três Evangelhos são chamados sinóticos, porque fornecem um vista geral dos mesmos acontecimentos e tem um plano comum. Enquanto que o Evangelho de João foi escrito em base inteiramente diferente dos outros três. Existe um relacionamento contrastante entre eles, como veremos abaixo:

SINÓTICOS

JOÃO

Fatos externos da vida do Senhor

Fatos internos da vida do Senhor

Aspectos humanos da vida do Senhor

Aspectos divinos da vida do Senhor

O ministério na Galiléia (em especial)

Os discursos particulares (em geral)

 

O ministério na judéia (em especial)

O Novo Testamento demonstra um "progresso de doutrina."

O livro de Mateus tem de ser o primeiro, pois sua especialidade é a ligação do Evangelho com as Escrituras Hebraicas, introduzindo assim o Novo Testamento como o cumprimento do Velho. "Para que se cumprisse o que fora dito" é seu refrão característico e ele adapta claramente sua narrativa aos judeus, de quem Cristo descendeu na carne.

Para que o relato de Mateus não pareça sugerir que o Evangelho é apenas um desenvolvimento da fé judaica, Marcos vem em seguida. Este é um Evangelho de ação e sua primeira abordagem intencional parece dirigir-se aos romanos e não aos hebreus. Enquanto que Lucas abre a porta por completo. Ele apresenta Jesus como "filho do Homem". Nele encontramos a simpatia humana mais abrangente, a perspectiva mais liberal, o Salvador é apresentado de forma a prender a atenção dos gentios em geral. O quarto Evangelho apresenta Jesus como Deus, Ele é o Salvador e também o Criador do mundo. Ele não apenas ensina a verdade : Ele é a verdade. Ele transmite vida porque Ele é vida.

Os Atos devem seguir imediatamente aos quatro Evangelhos, pois precisamos ver os fatos externos da vida, morte, ressurreição e ascensão do Senhor em sua primeira significação para os judeus, agora completados. Devem também preceder as Epístolas da Igreja Cristã, pois somos assim preparados para observar os fatos de Cristo em seu significado mais amplo para a Igreja.

Ao tomarmos as nove Epístolas da Igreja Cristã, veremos que as quatro primeiras enfatizam a Cruz; as três seguintes a Igreja; as duas últimas o segundo advento do Senhor.

Quanto às Epístolas Cristãs Hebraica , as duas primeiras salientam a "fé" e as "obras". As duas seguintes a "esperança" e o "crescimento". As outras quatro (João e Judas) o "amor" e depois "contendas." Apocalipse fala de "vencer" e "herdar" .Desde o início até o fim do NT. existe um progresso: o Cristo coroado de espinhos na cruz vem a ser o Rei coroado de glória da Nova Jerusalém.

QUADRO CRONOLÓGICO DO NOVO TESTAMENTO

PERÍODO

DATA

ACONTECIMENTO HISTÓRICO

REGISTRO

PUBLICAÇÃO

 

05 a.C.

Nascimento de Jesus

Mateus

 

Começo

07 d.C

Jesus no Templo "12 anos"

Marcos

 

5 a.C. à 29 d.C.

25 d.C.

Batismo de Jesus

Lucas

 
 

29 d.C.

Crucificação de Jesus

João

 
 

32 d.C.

Conversão de Paulo

   
 

45 d.C

   

Tiago

 

47 d.C

1ª viagem missionária

   

Expansão

49 d.C

Paulo em Antioquia

 

Gálatas

29 d.C. à 60 d.C.

50 d.C

Concílio de Jerusalém

Atos

 
 

52 d.C

2ª viagem missionária

 

1ª, 2ª Tessalonicenses

 

57 d.C

3ª viagem missionária

 

1ª Coríntios

 

58 d.C

3ª viagem missionária

 

2. Coríntios; Romanos

 

60 d.C

Aprisionamento de Paulo em Cesaréia

 

Marcos, Mateus, Lucas

 

62 d.C

1º aprisionamento de Paulo em Roma

Epístolas de Paulo

Efésios,Filipenses, Colossenses, Filemom

 

63 d.C

   

Atos

 

64 d.C

Incêndio de Roma

 

1ª Pedro

 

65 d.C

Paulo livre

 

1º Timóteo

Consolidação

66 d.C

Paulo livre

 

Tito, 2º Pedro

60 d.C. à 100 d.C.

67 d.C

2º aprisionamento de Paulo em Roma

Epístolas Gerais

2ª Timóteo

 

68 d.C

Paulo martirizado

 

Hebreus e Judas

 

70 d.C

Destruição de Jerusalém

   
 

85 d.C

   

João; 1ª, 2ª, 3ª João

 

95 d.C

 

Apocalipse

Apocalipse

VIDA POLÍTICA E RELIGIOSA EM ISRAEL NOS DIAS DE JESUS

Os Fariseus

O nome significa "Separatistas". Quando o Remanescente voltou à Judéia depois do Exílio, seu objetivo era reconstruir a comunidade judaica como Nação dedicada ao Senhor pela observância da lei. Com a influência crescente do sumo sacerdote, tornou-se um cargo ambicioso que pensava mais em vantagens políticas de que em responsabilidades espiurituais. Nos tempos de Jesus esse grupo era considerado a seita mais numerosa, poderosa e influente . Eram legalistas rigorosos, defendiam a rígida observância da letra e das formas da Lei, como também das tradições. Apesar de haver alguns homens bons no meio deles, mas em geral eram conhecidos por sua cobiça, crueldade, justiça-própria e hipocrisia. Os Fariseus e os Escribas eram os líderes religiosos do povo.

Os Escribas

Copistas dos textos sagrados e mestres encarregados de ensinar a lei ao povo. O escribismo desenvolveu-se durante o cativeiro babilônico. Eram perítos profissionais na interpretação e aplicação da lei e outras Escrituras do Velho Testamento. Com a multiplicação das tradições orais e a introdução de um sistema de interpretação e exposição das Escrituras, passo a passo os Escribas foram levados a conclusões, que teriam horrorizado os primeiros representantes da ordem. A relação entre a lei moral e cerimonial foi esquecida e invertida. O estudo das Escritura em si tornou-se uma obsessão para com as minúcias, até nas sílabas e letras, sendo que a idolatria da letra destruia a reverência em que ela tivera origem. Por isso Jesus Cristo condenou essa super-veneração da "tradição" dos homens(Mc 7:7-8).

Os Essênios

Os essênios eram uma comunidade a parte. viviam isolados em suas propriedades, trabalhando no campo ou em serviços úteis, mas rejeitando o comércio como um estímulo à cobiça. Os mais estritos renunciavam até ao casamento. Eram exclusivistas, ascetico e místicos. Eram escravos da forma. Sua liberdade mística com a Palavra escrita não lhes proporcionou liberdade espiritual.

Os Saduceus

Menbros de um partido oposto aos fariseus. Pessoas moralistas, negavam tudo o que é sobrenatural (At 23:8). Doutrinas principais : aceitavam somente a lei escrita, pentateuco ; negavam a providência de Deus ; a alma não existe; o corpo não ressuscitará; interpretavam literalmente o Velho Testamento ; não existem os anjos ; não há céu nem inferno, nem demônios. Eram materialistas consumados. O partido nasceu durante o cativeiro babilônico, por parte de um grupo de judeus liberais na guarda da Lei e contra os quais os fariseus, zelosos da Lei, levantaram-se.(1)

Os Herodianos

Formavam mais um partido político do que religioso. Eram inimigos dos fariseus, bem como dos judeus de modo geral. Mas uniram-se àqueles no episódio do tributo, a fim de pressionar Jesus (Mt 22:15-22). Não tinham alguma doutrina peculiar, mas era injustos e hipócritas. Isso constituia uma influência nefasta que o Senhor Jesus chamou de "fermento dos fariseus" (Mc 8:15). Nasceram com Herodes o Grande.(1)

Os Zelotes

Pregavam que a lei devia ser guardada, mesmo pela força da espada. Eles eram violentos, cruéis, sanguinários. Quando tinham oportunidade, matavam até mesmo a judeus que pagassem tributo a César. Odiavam mortalmente os romanos. Eles foram os responsáveis pela destruição de Jerusalém, no ano 70 dC. Quanto a doutrina seguiam o judaísmo em geral. Alguns acham que Simão (Mt 10:1-4) era Zelote. Naturalmente antes da sua conversão.(1)

Os Publicanos

Não constituiam algum partido político e, muito menos, religioso. Os Publicanos, devido à natureza de seu trabalho, eram tidos como traidores da pária e odiados pelos judeus. Eram reputados pecadores, no mesmo nível das meretrizes (Mt 9:10; 21; 31- Mc 2:15). Jesus salvou a Mateus, um publicano e fez dele um apóstolo (Mt 9:9). Também comeu com publicanos; salvou o publicano Zaqueu (Lc 19:1-10) e se mostrou amigável para com os publicanos (Lc 6:12-13). Os publicanos eram desprezados pelos judeus, porque o governo romano os encarregava de receber os impostos e os direitos de alfândega.(1)

Os Samaritanos

Não pertenciam ao povo judeu e nem residiam dentro dos termos de Israel. Os Samaritanos eram colonos de raça estranha, estabelecidos ali pelos assírios (700 anos antes, II Reis 17 :24-31 e Ed 4: 1; 9; 10). Aceitavam o pentateuco e adotavam em parte, a religião judaica. Esperavam que o Messias fizesse de Samaria não de Jerusalém, a sede do seu governo. Os Samaritanos odiavam os judeus de Jerusalém.(1)

ANÁLISE DOS GRUPOS

Essas extintas seitas judaicas continuam falando entre nós também através de outros meios. Existe um "meio dourado" de verdade que quando seguido, gera nos homens uma santidade sadia; mas quando os homens e os movimentos se desviam dele, tornam-se proporcionalmente desequilibrados e sujeitos a extremos pouco sólidos. Vemos isto objetivado nos fariseus, saduceus, essênios, zelotes e herodianos. Os fariseus eram extremamente escrupulosos sobre a letra da lei e tornaram-se hiper-espirituais. Os saduceus bifurcavam-se em sentido contrário, recusando a Palavra, exceto com significados limitados, e tornaram-se infra-espirituais. Os essênios liam muito mais nas "entre-linhas" do que nas próprias linhas, convencidos que por meio de percepção peculiar tinham conseguido alcançar a realidade mais profunda de todas e se tornaram ultra-espirituais.Os zelotes, impaciente se afastaram em outra direção, lutando se necessário, e eventualmente tornaram-se não-espirituais. Os herodianos achavam que deviam combinar as Escrituras hebraicas com a filosofia grega; o judaísmo com o helenismo; a religião com o prazer; e tornaram-se anti-espirituais.(2)

Bibliografia: J. Sidlow Baxter Examinai as Escrituras ; (Obs. (2) foi transcrito deste livro);

Júlio A. Ferreira, Conheça sua Bíblia ;

Paccker, Tenney, White , O mundo do Novo Testamento.

Tognini, Janelas para o Novo Testamento (Obs. (1) foi transcrito deste livro).

O EVANGELHO SEGUNDO MATEUS

TEMA

O tema central deste Evangelho é Jesus, o Rei Messias. Mateus escrevendo aos judeus e conhecendo as suas grandes esperanças, apresenta Jesus como o único que cumpre as Escrituras do Antigo Testamento com relação ao Messias. Por meio de numerosas citações do Antigo Testamento, ele mostra o que o Messias deve ser. Por um registro das palavras e atos de Jesus, prova que ele era o Messias. A repetição frequente das palavras "reino" e "reino dos céus", revela outro tema importante do Evangelho segundo Mateus. Expõe o reino dos céus prometido no Antigo Testamento (11:13), proclamado por João Batista e Jesus (3:2; 4:17), representado agora pela Igreja (16 :18, 19), e triunfante na segunda vinda de Jesus (25 : 31, 34).

AUTOR

Uma tradição digna de confiança atribui a Mateus a autoria deste livro. Muito pouco se diz acerca dele no Novo Testamento. Sabemos, entretanto, que era um coletor de impostos do governo romano, e que foi chamado pelo Senhor para ser seu discípulo e apóstolo.

PARA QUEM FOI ESCRITO

Para toda a humanidade em geral, mas para os judeus em particular. A intenção de dirigir-se primeiramente ao judeu, vê-se pelos seguintes fatos:

1. O grande número de citações do Antigo Testamento- há cerca de 60 dessas. Alguém que prega aos judeus deve provar a sua doutrina pelas Escrituras antigas. Mateus faz dessas citações a verdadeira base do seu evangelho.

2. As primeiras palavras do livro "Livro da genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abrão", sugerem imediatamente ao judeu os dois pactos que contêm promessas do Messias- o davídico e o abraâmico ( 2 Samuel 7: 8-16 ; Gênesis 12 : 1-3).

JESUS CRISTO REI

Uma única mensagem atravessa este Evangelho : Jesus Cristo, Rei dos judeus. Em Mateus 1, Ele apresenta Suas credenciais genealógicas de Rei. Em Mateus 2, o Menino Rei recebe a homenagem dos sábios do Oriente, suscitando a inveja de outro monarca, Herodes. Mateus 3 apresenta-nos Jõao Batista, o mensageiro e precursor do Rei. Em Mateus 4, o próprio Jesus Cristo anuncia a iminência de Seu reino.Os capítulos 5-7, revela os princípios fundamentais desse reino " O sermão da montanha".Os capítulos seguintes (8 e 9 demonstram que esse reino de Deus " não consiste em palavras, mas em poder" (1 Coríntios 4 : 20); eles relatam uma sucessão de milagres messiânicos. Os capítulos 10 - 12 descrevem-nos a missão dos enviados do Rei, o assasinato de Seu precursor, e a decisão tomada pelas autoridades eclesiásticas de rejeitar o seu Rei. Mateus 13 traz as parábolas do reino dos céus. Os capítulos 14 a 16 narram as circunstâncias da rejeição do Messias. Esse tema é ainda mais salientado nos capítulos seguintes (17 a 23), em que Jesus Cristo sobe a Jerusalém; Ele entra em Sua cidade como Rei, montado em um jumentinho ( 21: 5 9). É aclamado pela multidão, mas proscrito pelos chefes religiosos que, cheios de inveja, planejam matá-Lo ( 21: 46 ; 26 : 3-5). Depois, dois capítulos proféticos ( 24 e 25) deixam entrever as circunstâncias que precedem a vinda de Cristo e Seu reino de glória aqui na terra. O final do Evangelho ( capítulo 26 a 28 ) é inteiramente dedicado à paixão do Rei do judeus, pregado na Cruz do Gólgota (cp 27 : 32- 37), e à Sua ressurreição dentre os mortos.

 

 

DIVISÕES DO LIVRO (segundo o tema do primeiro versículo do evangelho)

1. Mateus 1: 1-16 :20 - Jesus Cristo, Filho de Davi. O Rei dá aos judeus as provas de que era o Messias. O Senhor havia prometido a Davi um Filho que ocuparia o trono de Israel (2 Samuel 7 : 12-16). A nação de Israel, porém, não quis aceitar a realeza desse Filho, nem mesmo reconhecê-Lo.

2. Mateus 16 : 21 - 28: 20- Jesus Cristo, Filho de Abraão. O Rei rejeitado e crucificado por Israel e pelo mundo. O Senhor havia outrora pedido a Abraão que oferecesse seu filho em sacrifício ( Genesis 22: 1.14 ). Abraão recobrou seu filho em uma prefiguração da ressurreição ( Hebreus 11: 19), recebendo então promessas de bênção para as nações, ( Genesis 22 : 15-19 ). Do mesmo modo, o sacrifício do Filho de Deus obediente até a Cruz ( Filipenses 2 : 7-8 ) foi o prelúdio de Sua ressurreição, fonte de benção derramando-se sobre todas as nações (Mateus 28 :19).

(Compilado de Ler e Entender a Bíblia de J. H. Alexander, pág. 98)

 

O EVANGELHO SEGUNDO MARCOS

Data e autor

O Evangelho Segundo Marcos foi escrito entre os anos 50 e 70 d. C. seu autor foi João Marcos, primo de Barnabé e companheiro de Paulo e de Pedro. Foi escrito em Roma e dirigido principalmente aos Romanos. No Evangelho Segundo Marcos, como em cada um dos outros três, sobressai a personalidade do autor. Ele foi companheiro especialmente de Pedro, a quem serviu fielmente, a ponto de ser designado por ele como seu filho (1º Pedro 5 .13).

Seu nome era judeu e sobrenome romano. O nome de sua mãe aparece a primeira vez em Atos 12:12, sua mãe era "Maria", indica que era judia. Seu pai pode ter sido romano.

A mensagem do Evangelho

É o mais curto, o mais simples e talvez o mais antigo dos Evangelhos. É o Evangelho essencialmente de ação. A ênfase do livro todo se concentra num Cristo ativo, um Servo forte mas humilde.

Os Romanos estavam mais interessados no poder do que em genealogias. Por isto Marcos omite a genealogia de Jesus bem como a sua infância. Marcos se preocupou em escrever realmente o que interessava aos Romanos, ele apresenta Jesus como grande vencedor de tempestade, dos demônios, da enfermidade e da morte.

Sua linguagem é simples e sua mensagem também. Algumas palavras aparecem muitas vezes : "logo", "imediatamente". Essas palavras exprimem o nível do verdadeiro serviço, realizado espontaneamente, com presteza e sem demora. Foi assim que o Senhor Jesus viveu no meio dos homens. O Servo Vencedor, o Servo Sofredor, e finalmente, o Servo Triunfante, na Ressurreição. Marcos registra dezoito dos milagres de Jesus, mas apenas quatro de suas parábolas. Ele faz menos referência ao Antigo Testamento que os demais Evangelistas. Explica os costumes Judeus aos leitores Romanos, mas não emprega a palavra lei, que aparece oito vezes em Mateus, nove vezes em Lucas e quatorze vezes em João.

Mateus fora encarregado de apresentar Jesus Cristo como Rei; coube a Marcos descrevê-lo como Servo; João foi incubido de provar Sua divindade, e Lucas, de revelar Seu nascimento miraculoso e Suas credenciais genealógicas de Filho do homem. Marcos entra imediatamente no âmago do assunto, dedicando-se sobretudo a demonstrar o caráter do perfeito Servo do Senhor.

Um paralelo com Ezequiel 1:10 (*1)

Em Mateus vemos o Messias-Rei (o leão).

Em Marcos vemos o Servo do Senhor (o boi).

Em Lucas vemos o Filho do Homem (o homem).

Em João vemos o Filho de Deus(a águia).

Como soberano Ele vem para reinar e governar. Como Servo vem para servir e sofrer. Como Filho do Homem vem para participar e consolar. Como Filho de Deus vem para revelar e remir. Magnífica fusão quádrupla- soberania e humildade; humanidade e divindade.

Divisão do livro(#)

O Evangelho Segundo Marcos pode ser dividido assim :

I- A apresentação do Servo ao Seu ministério público, 1:1-13

II- A obra realizada pelo Servo, 1:14 - 13:37.

III-A obediência do Servo até a morte, 14-15.

IV-A ressurreição e a ascensão do Servo vitorioso, 16.

Resumo:(*2)

A idéia - chave em Marcos é a apresentação do Senhor como Servo de Deus, o poderoso Obreiro. O versículo-chave é 10:45.A palavra-chave é "imediatamente".

( * 1) Comp. pág. 128 do livro : Examinai as Escrituras- Período Interbíblico e os Evangelhos.

(* 2) Comp. pág. 223 do livro acima referido.

(# ) Comp. pág. 997 da Bíblia , Scofield.

O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS

1. Autoria , destinatário e data

Sem dúvida alguma, Lucas, o médico amado (Colossesses 4: 14), foi o autor desse evangelho. Foi escrito nas proximidades do ano 60.Foi ele também o autor de Atos. Ambos os livros estão dirigidos à mesma pessoa.

Lucas não foi escrito nem para romanos, nem para judeus, mas para os gregos. A covilização grega é antropocêntrica; e Lucas, escreve para o seu amigo grego, Teófilo, faz a apresentação de Jesus Cristo como homem perfeito. A frase "filho do homem" aparece muitas vezes.

2. Versículos chaves 1:4 e 19 :10

A expressão "cheio de compaixão" é caracterrística do Evangelho segundo Lucas. Nele vemos o Filho do homem aproximando-se dos homens, para participar das suas angustias e livrá-los delas.

3. Tema

Jesus Cristo como Salvador universal para todos os povos (2:10).

4. A mensagem do Evangelho

Este Evangelho é o mais extenso dos sinóticos. Lucas sendo homem de ciência não nega os milagres. Dos quatros evangelistas é ele que narra maior número de curas realizadas pelo divino médico.

Lucas dá maior ênfase a oração, ao ministério do Espírito Santo, ao papel da mulher crente na comunidade cristã, etc.

Somente em Lucas aprendemos que ao descer sobre Jesus o Espírito Santo no Jordão, Ele estava " a orar"(3:21); que ao afastar-se das multidões que o assediavam continuamente, ele "orava" (5:16); que antes de escolher os doze, passou sozinho "noite orando a Deus"(6:12); que na ocasião em que perguntou aos doze "Quem dizeis que eu sou?" ele estava " orando em particular"(9:18); que na sua transfiguração Jesus subira ao monte " com o próposito de orar" (9: 29); que justamente antes de ensinar a hoje chamada " Oração Dominical" ele se achava "orando em certo lugar" (11:1); que Ele assegurou a Pedro, "Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça" (22:32); que no Getsêmani ele "orava mais intensamente" (22:44); que na cruz tanto o seu primeiro como último pronunciamentos foram orações ( 23:34,36). Devemos também notar as orações feitas por: Zacarias, Ana, os discípulos de João,etc.

As mulheres são mencionadas em Lucas mais vezes do que em qualquer dos outros três evangelhos, e as viúvas mais do que nos outros três juntos.

5. Parábolas e incidentes não registrados pelos outros Evangelhos

Acontecimentos dos capítulos 1 e 2;

A 1ª rejeição do Mestre em Nazaré 4:14-32

A pesca maravilhosa 5: 1:11

A ressurreição do filho da viúva de Naim 7:11-17

Os pés de Jesus ungidos pela pecadora 7: 36-50

As mulheres que serviam a Jesus com seus bens 8:1-3

Referência a Moisés e Elias falando com Cristo no monte da tranfiguração 9: 30-31

Censurada a ira de João e Tiago 9: 51-56

Comparação com o arado para o provável seguidor 9:61-62

A missão dos setenta 10: 1-24

Parábola do Bom Samaritano 10: 25-37

Censurada a preocupação de Marta 10:38-42

Parábola do amigo importuno 11: 5-10

Parábola do rico insensato 12: 13-21

Resposta sobre os assasinados por Pilatos 13: 1-5

Parábola da figueira estéril 13: 6-9

Mulher curada de sua enfermidade 13: 10-17

Resposta aos fariseus sobre Herodes 13: 31-33

Cura do hidrópico no sábado 14: 1-6

Parábola dos convidados 14: 7-14

Parábola da grande ceia 14:15-24

Comparação : construtor de torre em potencial 14: 28-30

Nova comparação : o rei que pretende fazer guerra 14: 31-33

Parábola tríplice (2) a moeda perdida 15: 9-10

Parábola trípice (3) o filho pródigo 15: 11-32

Parábola do administrador infiel 16: 1-15

O rico e Lázaro 16: 19: 31

Ilustração : o senhor e o servo 17: 7 -10

A cura dos dez leprosos 17: 11-19

Resposta relativa ao reino de Deus 17: 20-21

Parábola do juiz iníquo 18: 1-8

Parábola do fariseu e publicano 18: 9-14

Jericó : conversão de zaqueu 19: 1-10

Parábolas das minas e dos servos 19: 11-27

O Salvador chora sobre Jerusalém 19: 41-44

O suor como gotas de sangue 22 : 44

Cristo perante Herodes 23:8

Palavras de Cristo às mulheres de Jerusalém 23 : 28

O ladrão arrependido 23 : 40

Dois discípulo no caminho de Emaús 24 : 13-31

Ascensão de Jesus 24: 50-51

6. Resumo : 1. Nascimento, juventude, idade adulta (1: 5 - 4: 13 )

2. O começo do seu ministério público (4 : 14 -9 :50)

3. A viagem para Jerusalém (9: 51 - 19: 28)

4. Os últimos dias (19:29 -23 :55 )

5. Eventos relacionados com a ressurreição e a ascensão (24: 1-51).

Fazendo uma síntese, podemos concluir afirmando que este é o Evangelho da graça universal de Deus, é o Evangelho do "Filho do Homem", é um Evangelho devocional que dá a biografia mais completa de Cristo e que mais honra a mulher.

Bibliografia : Baxter, Examinai as Escrituras, Período Interbíblico e os Evangelhos

Ferreira A. Júlio, Conheça a sua Bíblia, Volume 5

EVANGELHO SEGUNDO JOÃO

1. Autoria, data e destinatário

Segundo Marcos, João era irmão de Tiago, filho de Zebedeu e trabalhavam juntos para o seu pai.(Marcos 1: 19,20). Alguns eruditos especulam que a mãe de João era Salomé aquela que juntamente com outras mulheres ajudaram no sustento do ministério de Jesus.(Mateus 27 :55,56). A data em que foi escrito é incerta. Prova velmente na última parte do primeiro século. Foi escrito para todos os cristãos.

2. Versículos chaves

1: 12 e 20: 31

3. Tema e Propósito

O Evangelho de João foi escrito para mostrar Jesus como Filho de Deus. Depois dos três primeiros escritores já terem morrido. Ele foi providencialmente mantido vivo com um propósito de escrever este Evangelho para principalmente combater o erro dos gnósticos, que ensinavam heresias a respeito da divindade de Jesus. Isso exigia a voz de uma testemunha ocular ainda viva que pudesse dizer : "O que temos visto e ouvido".

4. Conteúdo da mensagem

Cada um dos vinte e um capítulos, contém um retrato impressionante de algum aspecto do caráter e obra do Salvador. No Capítulo 1 Ele é o Filho de Deus; no capítulo 2, Ele é o Filho do Homem ; no capítulo 3, Ele é o Mestre divino; no capítulo 4, Ele é o Ganhador de Almas; no capítulo 5, Ele é o Grande Médico; no capítulo 6, Ele é o Pão da Vida; no capítulo 7, Ele é a Água da Vida; no capítulo 8, Ele é o Defensor do fraco; no capítulo 9, Ele é a Luz do mundo; no capítulo 10, Ele é o Bom Pastor ; no capítulo 11, Ele é o Príncipe da Vida; no capítulo 12, ele é o Rei; no capítulo 13, ele é o Servo; no capítulo 14, ele é o Consolador; no capítulo 15, Ele é a Videira Verdadeira; no capítulo 16, Ele é o Doador do Espírito; no capítulo 17, Ele é o Grande Intercessor; no capítulo 18, Ele é o Sofredor Modelo; no capítulo 19, Ele é o Salvador Crucificado; no capítulo 20, Ele é o Conquistador da morte; no capítulo 21, Ele é o Restaurador do Arrependido.

A ênfase central do Evangelho Segundo João é a apresentação de Jesus como o Verbo encarnado e Filho unigênito. Encontramos 23 vezes o significado "Eu sou" do Senhor. Veremos algumas : "EU SOU o Pão da vida" (6: 35, 41, 48, 51); "EU SOU o Luz do Mundo" ( 8 :12); "EU SOU a porta das ovelhas" ( 10: 7, 9 ); "EU SOU o Bom Pastor" (10 11, 14 ); "EU SOU a Ressurreição e a Vida" (11: 25); "EU SOU o Caminho, a Verdade e a Vida" ( 14: 6); "EU SOU a Videira Verdadeira" (15: 1, 5 ).

 

 

 

 

5. Os oito milagres e as oito entrevistas particulares

MILAGRES

ENTREVISTAS

1. Transformação da água em vinho (2)

1. Pedro e Natanael, etc. (1:35 - 51)

2. A cura do oficial do rei (4)

2. Nicodemos líder dos fariseus (3:1 - 21)

3. A cura do paralítico em Betesda (5)

3. A mulher de Sicar ( 4: 6:26)

4. A alimentação dos cinco mil (6)

4. O homem cego de nascença (9:35 - 41)

5. O andar sobre as águas do mar (6)

5. Marta e Maria ; Betânia (11)

6. A cura do cego de nascença (9)

6. Os onze apóstolos (13 -16)

7. A ressurreição de Lázaro (11)

7. Maria Madalena (20:1-18 )

8. A pesca maravilhosa (21)

8. O apóstolo Pedro (21:15 - 23)

6. Resumo

1. O ministério público de Jesus aos judeus ( 1- 12)

2. O ministério de Jesus particular aos "seus" ( 13- 17)

3. O clímax pascal de tragédia e triunfo (18 - 20)

Bibliografia: Bíblia Thompson ; Baxter, Examinai as Escrituras Vol. 5 ;

ATOS DOS APÓSTOLOS

Autor:

Em seu Evangelho, Lucas, o médico, dirige-se a Teófilo, um gentio de alta posição, para contar-lhe " o que Jesus começou a fazer e ensinar" (Atos 1:1). Em seu segundo livro, ele segue o mesmo método, e realizando pesquisas históricas exatas, comunica ao excelente Teófilo (Lucas 1:3) o que Jesus "continuou a fazer" mediante a ação do Espírito Santo, por meio de testemunhas que escolheu para propagar Seu Evangelho no mundo. A partir da segunda viagem missionária de Paulo, foi Lucas chamado a juntar-se a ele ( Atos 16 :10), provalvelmente para assisti-lo com seus cuidados médicos ( Atos 16 : 7 e Gálatas 4:13). Ele era pois a pessoa indicada para escrever o relato das principais etapas do ministério itinerante do grande apóstolo.

Importância do livro:

Os Atos dos Apóstolos são o complemento divino dos quatro Evangelhos, confirmando a sua mensagem. Eles descrevem o quadro histórico no qual se situam as Epístolas, das quais constituem introdução inspirada. Antes que os apóstolos estabelecessem as bases da doutrina cristã, era preciso que as verdades essenciais anunciadas pelo Filho de Deus fossem confirmadas e demonstradas aos olhos de todos. Os Atos apresentam, antes de tudo, as provas tangíveis da ressurreição de Jesus Cristo. Ensinam em seguida como o dom do Espírito Santo foi concedido e como deu origem à Igreja do Deus vivo.

Um relato histórico da ação do Espírito Santo

O Espírito Santo é a causa determinante dos acontecimentos narrados no livro de Atos, cujo caráter sobrenatural é inegável. O Espírito Santo é eterno, e teve papel importante através do Velho Testamento, onde várias vezes O vimos apoderar-Se de Homens de Deus dos tempos passados. Mas a partir de Atos 2, o Espírito Santo habita de maneira permanente no coração dos remidos. É o que o Senhor Jesus tinha dito claramente antes de Sua partida : "Ele habita convosco e estará em vós" (João 14 :17). Não é pois de admirar que neste livro tudo gire em torno da Pessoa e obra do Espírito Santo :

No capítulo 1, Ele é esperado pelos apóstolos;

No capítulo 2, Ele é derramado no cenáculo e na cidade de Jerusalém;

Nos capítulos 3-5, Ele revela Seu poder divino vencendo a posição reinante;

No capítulo 6, Ele comunica a sabedoria para a organização da Igreja ;

No capítulo 7, Ele inspira Estevão, o primeiro mártir do cristianismo;

No capítulo 8, Ele se propaga fora de Jerusalém;

No capítulo 9, Ele Se apodera do maior inimigo da causa de Cristo, para fazer dele Seu maior advogado;

No capítulo 10, Ele surpreende os judeus, manifestando-Se também entre os gentios;

No capítulo 11, Ele estabelece a Igreja cristã e lhe dá vocação missionária;

A partir do capítulo 12, Ele confirma Seu poder sustentando a Igreja de Cristo contra a oposição que tenta destruí-la.

O texto chave do livro de Atos

"Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis Minhas testemunha tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra" ( Atos 1: 8).Essa foi a última mensagem que o Senhor Jesus dirigiu a Seus discípulos antes de subir ao céu. Ela representa uma palavra de ordem permanente para os cristãos de toda época. Esse texto traça um programa de ação para a Igreja de Jesus Cristo, programa esse que começa a ser imediatamente realizado no livro de Atos. Podemos dividi-lo em três seções:

Testemunhas em Jerusalém-Capítulos 1-7- Principal instrumento Pedro

Testemunhas na Judéia e Samaria- Capítulo 8- Principal instrumento Filipe.

Testemunhas até as extremidades da terra- Cáps. 9- 28- Principal instrumento Paulo.

A história da Igreja

Em Atos 2, temos a certidão de nascimento da Igreja. Desde sua tenra infância, ela apresenta o aspecto de uma comunidade unida, perseverante e fiel ao ensino dos apóstolos (2 :42-47); é impregnada por um espírito de oração (1 :24) e de ação ( 5: 29-32; 8:4), não tolera a desordem em seu meio ( 5: 1-11; 8: 18-24); torna-se um organismo inspirado em Cristo, que ela procura refletir ; organiza-se no domínio prático ( 6: 1-7), e se estabelece no plano doutrtinário (cáp. 15) ; torna-se missionária (13: 1-3), estendendo-se da Antioquia à Àsia Menor (caps. 13, 14 e 19), à Grécia (cáps 16-18, e à Itália (cáps 27 e 28).

Os Atos dos Apóstolos encontram seu prolongamento nas conquistas do cristianismo através da história. Enquanto durar a era da graça de Deus para o mundo, a vocação da Igreja deverá realizar-se conforme apresentado pelo quinto livro do Novo Testamento.

As quatro viagens missionárias de Paulo

Primeira viagem (com Barnabé). Antioquia da Síria - Chipre- Antioquia da Pisídia - Icônio - Listra - Derbe - Antioquia da Síria. (Atos 13 e 14).

Segunda viagem (com Silas e Lucas desde Trôade)- Antioquia- Síria- Cilícia- Derbe- Listra- Galácia- Trôade- Filipos- Tessalônica- Beréia- Atenas- Corinto- Éfeso- Jerusalém- Antioquia. (Atos 15: 40-18 :22).

Terceira viagem (com Silas, Lucas e outros campanheiros de trabalho) - Antioquia - Galácia-Frígia - Éfeso - Macedônia - Trôade - Mileto - Tiro - Cesaréia - Jerusalém - Prisão e encarceramento em Cesaréia . (Atos 18:23 - 26:32).

Quarta viagem (com Lucas e outros discípulos) - Cesaréia - Licia - Ilha de Creta (naufrágio) - Malta - Silícia - Roma. ( Atos 27-28).

A palavra de ordem do livro dos Atos

Uma verdade muito importante é salientada por três vezes no livro de Atos :"E crescia a Palavra de Deus...multiplicava o número dos discípulos" ( 6: 7; 12: 24; 19:20). Essa foi a experiência gloriosa da Igreja nesse tempo heróico, e essa deve ser também a expressão prática da nossa vocação no século XX: espalhar a Palavra de Deus, para que o número de discípulos aumente. A difusão da Santa Escritura continua o objetivo número um das várias testemunhas de Cristo; é o único meio pelo qual a Igreja pode ainda crescer em número e estatura. O livro de Atos lança, pois, uma viva luz sobre serviço que nos é proposto nestes tempos do fim, fazendo-nos entrar na vocação divina de ganhar almas para Jesus Cristo.

(Compilado de Ler e Compreender a Bíblia,de j. H. Alexander).

 

 

 

 

 

ROMANOS

AUTOR - 0 Apóstolo Paulo, sem sombra de dúvida (Rm 1:1)

DATA - cerca de 58 d.C. no final da 3ª viagem missionária (At. 20:1-3; Rm 15:22-32)

AMANUENSE (secretário) - Tércio, que adicionou sua própria saudação (Rm 16:22)

PORTADORA - A diaconisa Febe (Rm 16: 1, 2)

TEMA - (Rm 1:16, 17) O Evangelho de Cristo. (Inclui a justificação, santificação, etc.). Romanos é a "Constituição da Fé Cristã"; a " Carta Magna do Cristianismo".

DESTINATÁRIOS - Os cristãos romanos

TEXTO CHAVE - 1:16; 5:1.

PROPÓSITO:

a) Encorajar os crentes em Roma (Rm 1:8-13),

b) Expor por escrito as grandes doutrinas fundamentais da fé cristã (Rm 1-11),

c) Exortar os crentes à consagração, ao amor, e outras virtudes cristãs (Rm 12-15)

d) Lembrar os crentes de exortar uns aos outros (Rm 15: 14,15),

e) Avisar a igreja da sua futura visita (Rm 15:22-24)

ESBOÇO:

Introdução : 1:1-17

a) saudação 1: 1-7, b) oração 1: 8-15, c) tema 1: 16-17 - O Evangelho de Cristo

1. Condenação 1:18- 3:20 1. Sua natureza- poder

a) Os gentios sob condenação (1:18-32) 2. Sua Origem- Deus

b) Os judeus sob condenação (2:1- 3:8) 3. Seu propósito- salvação

c) Todos sob condenação (3: 9-20) 4. Sua Extensão- todo

2. Justificação (3:21- 5:21) 5. Sua Recepção- crê

a) O fato da justificação pela fé (3:21-31) 6. Sua eficácia- justiça

b) As ilustrações do VT da justificação pela fé (4:1-25) 7. Seu Resultado- viverá

c) Os resultados da justificação pela fé ( 5 :1-11)

d) A segurança obtida pela justificação pela fé ( 5 : 12-21

3. Santificação (6:1- 8:39)

a) Pela morte para com o pecado (6:1-23)

b) Pela morte para com a lei (7:1-25)

c) Pela atuação do Espírito Santo (8: 1-39)

4. Eleição/ Rejeição / Predestinação ( 9:1 - 11:36)

a) A soberania de Deus (9:1-33)

b) A responsabilidade do homem ( 10: 1-21

c) O futuro de Israel (11: 1-36)

5. Exortação (12:1 - 15: 13)

a) A vida cristã com relação aos crentes ( 12: 1-21)

b) A vida cristã com relação ao estado ( 13: 1-14)

c) A vida cristã com relação às convicções ( 14:1-15:13)

Conclusão (15:14 - 16:27)

a) Os propósitos do Apóstolo Paulo (15:14-33)

b) As saudações do apóstolo Paulo (16:1-23)

c) A doxologia do Apóstolo Paulo ( 16: 24-27)

É interessante notarmos os resultados da justificação pela fé, resumidos no capítulo 5:1-11 : Temos paz com Deus, obtivemos acesso pela fé.., gloriamo-nos na esperança da glória.., gloriamos nas tribulações.., o amor de Deus é derramado em nossos corações.., seremos salvos da ira.., gloriamo-nos em Deus.

(Apostila preparada pelo professor Karl Roland Janzen - com acréscimos)

Eleição, Rejeição, Predestinação

Os decretos de Deus

O controle divino do universo costuma ser mencionado como os DECRETOS de Deus. Alguém já definiu os decretos de Deus como "o plano eterno através do qual Deus se assegura de que todos os acontecimentos do universo - passados, presentes e futuros aconteçam". Às nossas mentes finitas e limitadas, parece que os acontecimentos são muitos, mas para Deus não existe tempo, e tudo acontece em um momento eterno. Eis por que dizemos que Deus sabe o fim desde o começo.

Às vezes se faz uma distinção entre os DECRETOS ABSOLUTOS de Deus, que determinam o que acontece, e os Seus PROPÓSITOS em relação às Suas criaturas - isto é, a revelação que lhes faz de suas obrigações. Os decretos de Deus sempre se realizam, mas os homens costumam ignorá-los e desobedecer aos propósitos que Ele tem para eles.

Outra diferenciação se faz entre a VONTADE DIRETIVA e a VONTADE PERMISSIVA de Deus. Sua vontade diretiva é o que Ele mesmo realiza; Sua vontade permissiva é o que Ele permite que aconteça. Deus permitiu, mas não dirigiu, a entrada do pecado no mundo. Mas quer seja ativamente (por decreto), ou passivamente (por permissão), Deus é soberano sobre tudo o que acontece. Ele é livre no sentido de que não está sob qualquer outra influência ou poder de qualquer outra coisa ou pessoa a não ser Ele mesmo (Is. 45.5-7, 18, 21-23). Ele é soberano; Ele tem poder de realizar os seus propósitos (Pr. 21.1; Da. 2.21; 4.17,32,34,35).

O livre Arbítrio

A questão da soberania de Deus e sua relação com a liberdade humana perturba muitas pessoas. Se Deus orienta tudo, como pode o homem ser um agente livre e, consequentemente, ser moralmente responsável? Se Deus sabe com antecedência o que o homem vai fazer, que escolha tem este então? Temos de admitir que esta questão tem aspectos profundos que não foram totalmente elucidados, mas é bom ter-se em mente algumas coisas.

Primeiro, a vontade do homem desempenha sempre uma parte relativamente pequena em qualquer circunstância apresentada. O homem não tem controle sobre o lugar onde nasce, a família, ou sobre a capacidade ou incapacidade, vantagens ou desvantagens que possui. Está sujeito a muitas influências além do seu controle.

Ele é mais ou menos como uma criancinha em um cercadinho. Tem liberdade verdadeira, mas apenas dentro de certos limites prescritos. Francis Schaeffer destaca que se alguém joga uma bola na direção de uma pessoa, esta pode apanhá-la ou deixá-la cair. Exceto no caso de algum defeito físico, não está tão limitada que não tenha poder de decidir ou escolher.

Segundo, o conhecimento que Deus tem do futuro (que não deve ser confundido com eleição ou predestinação) não é a causa propriamente dirá do que acontece. Por exemplo, Deus sabia com antecedência que Dimas abandonaria o apóstolo Paulo pelo amor a este mundo, mas o conhecimento que Deus tinha do assunto não predispôs Dimas a retroceder, e muito menos o compeliu a agir assim. Dimas agiu com liberdade; ele fez sua própria escolha pessoal sem nenhuma pressão.

Deus sabia, também com antecedência, que Saulo aceitaria a Cristo e se tornaria o apóstolo Paulo, mas este exerceu a sua própria vontade na estrada de Damasco atendendo à chamada do Senhor. Deus conhece suas decisões antes de você tomá-las. Ele sabe o que você vai fazer e onde vai - mas esse conhecimento não interfere nem um pouco na sua completa liberdade de ação.

Packer chama essa dificuldade - a reconciliação da soberania divina com a liberdade humana - de Antinomia - uma aparente contradição entre conclusões que parecem igualmente lógicas, racionais, ou necessárias. Ele diz : "Uma antinomia existe quando um par de princípios ficam lado a lado, aparentemente irreconciliáveis, mas ambas inegáveis. Existem razões irrefutáveis para se crer em ambos; ambos descansam sobre evidências claras e sólidas; mas é um mistério como um pode se encaixar no outro. Você vê que cada um deles deve ser a verdade em si mesma, mas você não entende como podem ser a verdade quando aceitos conjuntamente".

"A física moderna enfrenta uma antinomia, em tal sentido, no estudo que faz da luz. Existem evidências irrefutáveis de que a luz consiste de ondas, e evidências também irrefutáveis de que ela consiste de partículas. Aparentemente não se pode entender como a luz pode consistir de ondas e de partículas ao mesmo tempo, mas as evidências estão ali, e assim nenhuma delas pode ser abandonada em favor da outra".

Somos confortados pelo fato de ser a soberania divina exercida por um Deus pessoal, todo amor e toda sabedoria. Mas a Sua soberania não diminui de modo algum a nossa liberdade - ou o nosso privilégio e responsabilidade de fazer a Sua boa vontade. (Compilado do livro: Saiba o que você crê de Paul E. Little. São Paulo, SP. Editora Mundo Cristão, 1976 pg. 34- 36. )

ELEIÇÃO - PREDESTINAÇÃO - SALVAÇÃO

Os teólogos dividem-se basicamente em dois campos - os que enfatizam a soberania de Deus, e os que enfatizam o livre arbítrio do homem. O extremismo que vê apenas a soberania de Deus leva ao fatalismo onde o homem não tem vontade nem escolha, mas funciona como um peão num jogo de xadrez, usado ou sacrificado segundo o capricho do jogador e as leis fixas e inexoráveis do jogo. O extremismo que vê apenas o livre arbítrio do homem priva Deus de Sua posição como Deus e faz a salvação do homem depender dos seus esforços. Ambos os extremos caem em grande e grave erro.

Vários termos e conceitos bíblicos têm que ser levados em consideração em relação a Deus e aos homens: os decretos de Deus, a presciência de Deus, a eleição do homem, a predestinação do homem, etc.

A. DECRETOS DE DEUS - Ainda que esta palavra não se encontre na Bíblia em relação a Deus, o conceito se mostra em muitos trechos Bíblicos (Is 14.24-27; 46.9,10; Da 4.17,35; At 2.23; 4.27,28). OS DECRETOS DE DEUS:

1) Representam Seu eterno propósito (propósitos),

2) São baseados em Seu sábio e santo designo,

3) Originam na liberdade de Deus,

4) Tem por finalidade Sua própria glória,

5) Foram ordenados eficaz ou permissivamente,

6) Abrangem tudo o que acontece (Rm 8.28; Ef 1.11; 3.11; 2Tm 1.9; Tt 1.2; Ap 4.11).

B. ELEIÇÃO - O ato soberano de Deus em graça, pelo qual Ele escolheu em Jesus Cristo para a salvação de todos aqueles que de antemão sabia que O aceitariam. Esta é a eleição em seu aspecto redentor. Existe a eleição para privilégios/tarefas (Dt 7.6-8; At 9.15; 13.17; Rm 11.28.29); e para salvação (Ef 1.4.5, 1Tm 1.4; 2Tm 2.10; Rm 8.33; 1Co 1.21,26-28).

C. PRESCIÊNCIA - Eleição é um ato soberano porque não resultou de nenhuma pressão feita sobre Deus. Deus mediante sua graça escolha salvar alguns "em Cristo" dentro dos homens perdidos, inimigos e completamente indignos de salvação. Não podia escolhê-los em si mesmos por causa de sua indgnidade; por isso os escolheu pelos méritos de outro. Mas Ele escolheu aqueles que Ele previa que iriam aceitar a Cristo (Rm 8.29,30; 1Pe 1.1,2). Como a humanidade está irremediavelmente morta em delitos e pecados, e nada pode fazer para obter a salvação, Deus graciosamente restaura a todos os homens a capacidade suficiente para fazer a escolha na questão da submissão a Ele. Esta é a graça salvadora de Deus que apareceu a todos os homens (Jo 1.9,16,17, 16.8; Tt 2.11). Em Sua presciência, Deus sabe o que cada um vai fazer com esta capacidade restaurada, e elege os homens para a salvação em harmonia com Seu conhecimento da escolha que fazem a respeito Dele.

D. PREDESTINAÇÃO - Na eleição, Deus decidiu salvar aqueles que aceitarem Seu Filho e a salvação oferecida, e em predestinação Ele determinou eficazmente cumprir esse propósito. A predestinação, então, refere-se a finalidade pela qual os eleitos foram separados. Há várias biblicamente: 1) para adoção como filhos (Ef 1.4,5); 2) para obter uma herança (Ef 1.11); 3) para sermos conformados à imagem de Jesus (Rm 8.29); 4) para a glória (ICo 2.7). Em lugar nenhum encontramos a idéia de que somos predestinados à fé, ou que os ímpios estarão predestinados ao inferno.

E. SALVAÇÃO PARA TODOS - A Bíblia ensina que Cristo morreu por, e convida todos os homens (Jo 1.29; At 17.30; Rm 5.18; 2Co 5.19; 1Tm 4.10; Tt 2.11; Hb 2.9; 2Pe 3.9; 1Jo 2.2)

I AOS CORÍNTIOS

Embora esta Epístola seja denominada a primeira Epístola aos Coríntios, evidentemente outra a precedeu, que não chegou aos nossos dias, mas à qual se refere o verso 3:9. Somando os capítulos de I mais II aos Coríntios constitui a mais longa correspondência de Paulo a uma comunidade cristã.

1. Autor - O Apóstolo Paulo, sem dúvida nenhuma

2. Destinatários - A igreja de Deus na cidade de Corinto - At. 18.1-17

a. Cidade grega , mas destruída, reconstituída (44 Ac.), e dominada pelos romanos

b. Capital da região; excelente porto

c. Centro de comércio de porcelana ; grande indústria de construção naval

d. Habitantes : 200.000 livres; 400.000 escravos na cidade ( 60.000 vendidos em um dia )

e. Importante centro religioso pagão - templo a Afrodite, deusa de amor ( antiga AstarteFenícia, que tinha mil escravas prostitutas sacerdotisas servindo os adeptos.

f. Uma cidade imoral e devassa - o verbo "corintianizar" significa "ser tudo ruim".

g. Negó?cios, prazeres, luxo, orgulho, pompa, miséria, devasidão, crime - tudo se combinava para fazer de Corinto a cidade mais perdida e corrupta de seu tempo.

h. Composição da igreja - Deste ambiente podre Deus levantou Sua Igreja, formada de judeus (poucos), gregos, romanos, africanos. Culturas e níveis sociais completamente diferentes

1. muitos escravos e pessoas simples 3. gregos enfatizando sabedoria

2. alguns da alta sociedade 4. judeus enfatizando sinais

3. Data - escrita durante a 3ª viagem misionária por volta do ano 57 dC. O Apóstolo Paulo estava na cidade de Éfeso por 3 anos quando escreveu esta carta.

4. Tema - Instruções para problemas e perguntas da ordem de ética e prática.

5. Propósito da carta - 1. Responder as práticas pecaminosas (cap.1-6) ; 2. Responder às perguntas mandadas (cap. 7-15) ; 3. Recolher uma oferta para Jerusalém (cap. 16)

6. Problemas tratados na carta -

a. divisões e contendas (1. 1-4. 21) h. Idolatria, liberdade, amor (10. 1-33)

b. Incesto; falta de disciplina (5. 1-13) i. Mulheres nos cultos (11. 1-16)

c. Litígio (6. 1-8) j. Excesso na Ceia do Senhor (11. 17-34)

d. Imoralidade em geral (6. 9-20) l. Dons espirituais, supremacia do amor

e. Matrimônio (7. 1-40) e excesso de líguas (10. 1-14. 40)

f. Alimento sacrificado aos ídolos (8.1-13) m. Descrença na ressureição (15. 1-58)

g. Direitos apostólicos (9.1-27)

7. Fontes das informações sobre os problemas

a. Família de Cloé (1.11) ; c. Relatório de Estéfanas, Fortunatos, Acaico (16. 17); b. Troca de cartas (5. 9 ; 7. 1) ; d. Relatório de Timóteo (4:17); e. Presença de Sóstenes (1. 1)

8. Esboço: Introdução (1. 1-9) ; a. Saudação(1. 1-3) ; b. Ação de graças (1.4-9)

1. Os problemas da igreja (1. 10-6. 20) : a. As divisões (1. 10-4. 21); b. Incesto e falta de disciplina (5. 1-13); c. Litígio (6. 1-8); d. Imoralidade em geral (6. 9-20)

2. As perguntas da igreja (7. 1-16..9)

a. Sobre matrimônio (7.1-40)

b. Sobre liberdade cristã ( 8.1-10. 33)

1) Com respeito ao alimento sacrificado aos ídolos (8. 1-13)

2) Com respeito aos direitos apostólicos (9. 1-27)

3) Com respeito à idolatria (10. 1-33 )

c. Sobre a ordem na adoração pública (11. 1-14. 40)

1) Sobre a participação da mulheres (11. 1-16)

2) A ceia do Senhor (11. 17-34)

3) Os dons espirituais (12. 1-14:40)

a. Diversidade de funções (12. 1-31)

b. Supremacia de amor (13. 1-13)

c. Superioridade de profecia sobre línguas (14. 1-40)

d. Sobre a ressureição (15. 1-58)

1) A certeza da ressureição (15. 1-34)

2) A natureza da ressureição ( 15. 35-58)

e. Sobre a coleta de ofertas (16. 1-9)

Conclusão (16. 10-24)

ANÁLISE DO CONTEÚDO

Depois da introdução notamos logo de início uma manifestação de sectarismo(cisma).Os que seguiam Paulo, a Apolo, a Cefas (1:10-17). Havia até mesmo um partido de "Cristo" reivindicando para si o Nome e dizendo, de maneira facciosa, "eu sou de Cristo", sugerindo a inferioridade dos demais. Nos capítulos posteriores encontramos Paulo repreendendo-os por isso, e mostrando porque as divisões são erradas: A salvação pela Cruz põe de lado a soberania humana. A seguir no capítulo 2, ele mostra que elas são erradas porque os professores humanos não passam de "despenseiros" e o poder real é de Deus ( 3:5, 6,21; 4:1).Finalmente, nos capítulos 5 e 6, ele enfatiza que tais "vanglórias" não passavam de pura zombaria, enquanto males flagrantes eram desculpados- incesto, processos judiciais, impureza! "E, contudo, andais vós ensoberbecidos". Nos seis primeiros capítulos Paulo repreende em relação a divisões.

A partir do capítulo sete Paulo está respondendo a perguntas escritas: "quanto ao que me escrevestes..".Devemos, pois, ter o cuidado de distinguir entre o temporário e o permanente, entre o local e o geral. Alguns conselhos estão ligados às circunstâncias de um lugar e de um tempo que já passaram. Isto não significa que não tenham nada a dizer para nós hoje, pois em todos eles acham-se envolvidos pricípios de aplicação permanente.

II EPÍSTOLA AOS CORÍNTIOS

1. INTRODUÇÃO - Como já vimos, a primeira carta de Paulo aos Coríntios foi escrita em Éfeso (I Cor. 16:8). Logo depois, ele foi obrigado a fugir por causa do motim de fanáticos instigados pelos fabricantes de nichos de Artêmis (Diana). De Éfeso, ele seguiu para Trôade, cruzando a nordeste do mar Egeu, a fim de visitar novamente as igrejas que fundara na Macedônia e depois viajou outra vez em direção ao sul, para Corinto, na Acaia ( At 20:1,2). Chegou finalmente a Corinto e permaneceu ali três meses ( At 20:3), mas no intervalo entre a saída de Éfeso e a chegada a Corinto, ele escreveu esta outra carta, possivelmente de Filipos, e sob circunstâncias profundamente perturbadoras.

2. MOTIVOS DA ESCRITA- De todas as Epístolas de Paulo, II aos Coríntios é a mais pessoal, mais íntima, uma exposição do grande coração do apóstolo, seus sentimentos profundos, seus motivos mais interiores. Falsos mestres (2 Cor. 11:13) chegaram a Corinto, menosprezando a autoridade apostólica de Paulo (2 Cor. 12:12; 13:3), e ele sentiu-se obrigado a relatar experiências fenomenais e pessoais que ele nunca revelara antes, para comprovar seu apostolado. Foi desagradável para Paulo fazer tal reivindicação, mas necessário para o bem da vida espiritual dos Coríntios. Portanto seus motivos e propósitos foram:

a) Expressar sua alegria pela reconciliação com a maioria dos Coríntios (2 Cor. 1:1-7:16);

b) Ressaltar a coleta que iria levar a Jerusalém (2 Cor. 8:1-9:15);

c) Defender sua autoridade apostólica perante a minoria recalcitrante (II Cor. 10:1-13:10).

3. TEMA - A defesa de Paulo da sua autoridade apostólica.

4. ESBOÇO

Introdução - (1:1-11).

1. OS PRINCÍPIOS DO MINISTÉRIO DE PAULO (1:12-7.16).

a) A explicação da demora de Paulo (1:12-2:4);

b) A restauração do opositor de Paulo (2:5-13);

c) A descrição do ministério de Paulo (2:14-6:10);

1) A natureza espiritual do ministério (2:14-3:18);

2) A integridade ética do ministério (4:1-6);

3) A perseverança firme no ministério (4:7-15);

4) A esperança eterna no ministério (4:16-5:10);

5) A mensagem reconciliadora no ministério (5:11-21);

6) A motivação pura no ministério (6:1-10);

d) O apelo à santidade (6:11-7:4);

e) As boas notícias de Tito para Paulo (7:4-16).

2. A COLETA PARA IGREJA DE JERUSALÉM (8:1-9:15).

a) Princípios de contribuição (8:1-15);

b) Cuidados na arrecadação (8:16-9:5):

c) Recompensa pela liberalidade (9:6-15);

3. A AFIRMAÇÃO DA AUTORIDADE APOSTÓLICA DE PAULO (10:1-13:10).

a) A defesa contra as acusações de incompetência (10:1-11:15);

b) O relatório do trabalho, sofrimento, revelações (11:16-12:13);

c) A futura visita planejada a Corinto (12:14-13:10);

CONCLUSÃO (13:11-13).

5. PODEMOS DIVIDIR O LIVRO TAMBÉM EM TRÊS PARTES:

Introdução 1:1-2.

1. Relato do ministério de Paulo (1-5). Explicação: Paulo, o ministro.

a) Quanto ao motivo (1-2);

b) Quanto à mensagem (3-5);

2. Apelo de Paulo aos seus convertidos (6-9). Exortação: Paulo o Pai.

a) Com respeito às coisas espirituais (6-7);

b) Com respeito às coisas materiais (8-9);

3. Resposta de Paulo aos críticos (10-13). Defesa: Paulo, o apóstolo.

a) os críticos e suas pretensões;

b) o apóstolo e suas credenciais;

Conclusão 13:11-14.

6. AS CARACTERÍSTICAS DO MINISTÉRIO DO APÓSTOLO

1. Consolador, 1:4-7; 7:7,13;

2. Sofrido, 1:5-9; 4:8-12; 5:4; 6:4-10; 7:5; 11:24-28; 12:7-10;

3. Sincero, 1:12; 2:17; 4:2; 7:2;

4. Constante, 1:17-19; 4:1,16;

5. Interessado, 2:3-4; 7:7-8; 11:2-3; 12:20-21;

6. Triunfante, 2:14; 4:8-9; 12:10;

7. Abnegado, 4:5,11,15; 5:13; 11:7,9;

8. O amor a Cristo é o motivo predominante, 4:11; 5:14;

9. Espiritual, 4:18; 5:16; 10:4;

10. Persuasivo, 5:11,20; 6:1; 10:1-2;

11. Reconciliador, 5:19-21;

12. Demonstrando em seriedade, nas aflições e nas boas obras, 5:13; 6:4-10; 12:12;

13. Autoridade, 10:1-11;

14. Auto-suficiente, 11:9.

7. SETE CONTRASTES ENTRE AS DUAS ALIANÇAS (Nos Capítulos 3 e 4)

1. A antiga aliança era da "letra" (gravado com letras em pedras - v 7); a nova aliança é do Espírito (3:6);

2. A antiga aliança era um ministério da morte; a nova é um ministério de vida. "A letra mata, mas o Espírito vivifica" (3:6);

3. A antiga aliança era de condenação; a nova é um ministério de justiça (3:9);

4. A antiga aliança era transitória; a nova é permanente - "o que é permanente" (3:11);

5. A antiga aliança esta ligada à face de Moisés; a nova resplandece na face de Cristo. (4:6);

6. O símbolo da antiga aliança era um véu; o da nova é um espelho. (3:13-18);

7. A antiga não podia modificar os sentidos embot ados (3:14); sob a nova somos "transformados na ... imagem (do Senhor) pelo Espírito" (3:18).

8. ACUSAÇÕES DOS CRÍTICOS

A partir do capítulo 10, onde Paulo volta sua atenção mais especialmente para os judaizantes, podemos perceber, versículo após versículo, as coisas que estavam dizendo sobre ele: era corajoso só à distância (10:1,2). Sua aparência pessoal era insignificante e suas palavras, desprezíveis (10:1,10,11); comparado com eles era inferior, apesar de suas pretensões (10:12-15); o que pregava era uma versão fraca do Evangelho (11:4); e a igreja de Corinto não era recomendável por ser paulina (12:13; 11:7-9); Ele não era um verdadeiro apóstolo (11:5; 12:11,12). Não tinha as qualificações ou credenciais de que eles (os de Jerusalém) podiam se gabar (11:22-28). Até mesmo em sua recusa em receber sustento financeiro havia uma simulação oculta e uma admissão de inferioridade (12:16-19). Paulo, então, defende o seu ministério se colocando como um bom Ministro, um bom pai e um bom Apóstolo.

Queremos terminar o estudo desta epístola citando e orando a bênção tripla com que Paulo termina esta emocionante epístola. "A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós".

GÁLATAS

1. Temas:

a) "Liberdade cristã";

b) A Carta Magna da Emancipação Espiritual;

c) A superioridade da graça sobre a lei;

d) A justificação pela fé sem obras da lei;

e) A defesa da liberdade cristã (2:21) e a igualdade de todos os crentes (3:28).

2. Palavras enfáticas: Fé, graça, liberdade, cruz.

3. Destinatários: Às igrejas da Galácia, uma região da Ásia Menor, cujos limites não têm sido determinados com segurança.

4. Versículos-chave: 2:16, 2:20, 3:28, 5:13, 5:16-8, 5:22-25, 6:7,8, 6:14 e 5:1.

5. Autor: O apóstolo Paulo.

6. Propósito:

a) Defender seu apostolado;

b) Ensinar que a salvação é somente pela graça mediante a fé e não pelas obras da abediência à lei de Moisés.

c) Fundamentar os Gálatas na liberdade cristã.

7. Data: Existem duas posições entre os comentaristas quanto à data 57 a.C. e 49 d.C.

8. Esboço: Saudação 1:1- 5

8.1. A Autenticidade do Evangelho (1,2)

(Narrativa pessoal)

Genuíno quanto à sua origem (1)

Genuíno quanto à sua natureza (2)

8.2. A Superioridade do Evangelho (3,4)

(Argumento doutrinário)

Na nova relação que efetua (3)

Nos privilégios que confere (4)

8.3. A verdade Liberdade do Evangelho (5,6)

(Aplicação prática)

O serviço de amor faz cessar a escravidão à Lei (5:1-15)

O Espírito faz cessar a escravidão à carne (5:16 - 6:10)

Conclusão: 6:11-18

9. Análise da Epístola:

Paulo havia pregado na Galácia o evangelho da salvação mediante a fé. Muitos gentios tinham se convertido a Cristo e igrejas foram formadas. Logo depois que Paulo se retirou daquela região, os judaizantes ensinavam um "outro" evangelho; a saber, a salvação pelas obras da lei e não pela graça. Ensinavam que os gentios tinham que obedecer a lei de Moisés, ser circuncidados (5:2-6, 6:12-15) e praticar o ritual da lei (4:10) para que fossem salvos.

Mediante uma carta, Paulo reivindica sua autoridade como expositor do evangelho, e condena a posição judaizante como legalismo anticristão. Paulo sustenta que os crentes, tanto os judeus como os gentios, desfrutam de completa salvação em Cristo. São justificados (3:6-9), adotados (4:4-7), renovados (4:6, 6:15) e feitos herdeiros de Deus segundo a promessa do pacto com Abraão (3:15-18). Desse modo, a fé em Cristo liberta-nos da necessidade de buscar a salvação pelas obras da lei. Mesmo porque, esta busca é impossível, pois a lei não salva, nem era esse seu propósito (3:19-24); a lei só pode condenar (3:10-12), e quando se confia nela para a salvação, o resultado é escravidão (4:21-24). Os crentes devem apegar-se à liberdade que Cristo lhes deu, e servir a Deus e ao próximo no poder do Espírito, como homens livres (5:13-18), realizando com alegria a vontade de seu Salvador (6:2).

Os dois primeiros capítulos são pessoais, os intermediários são doutrinários, os dois últimos são práticos

Nos capítulos três e quatro Paulo

AS EPÍSTOLAS DO CATIVEIRO

(Efésios, Filipenses, Colossenses e Filemom)

As Epístolas: Efésios, Filipenses, Colossenses e Filemom, são consideradas as "Epístolas do cativeiro", isto porque o próprio apóstolo Paulo nos informa que as escreveu na prisão (Fl.1:12-14; Ef 3:1; 6:20; Cl 4:10; e Fm 1,9,10,23). Podemos também notar que foram escritas mais ou menos na mesma ocasião. Há indicações que Colossenses foi a primeira a ser escrita e logo depois escreveu a Epístola aos Efésios , Filemom e Filipenses.

1. LUGAR DA ESCRITA: De uma prisão (Ef 3:1; 4:1; 6:20). Dos vários aprisionamento de Paulo (2 Co 6:5; 11:23), há três possibilidades: Éfeso (I Co 15:32; 2 Co 1:8-11); Cesaréia durante os dois anos lá (At 23:35; 24:27); Roma (At 28:16,30,31). Roma é o lugar mais provável porque Paulo menciona a guarda pretoriana (Fl 1:13 e a casa de César (Fl 4:22).

2. DATA: 62 a 63dC.

Cada uma dessas epístolas tem sua idéia mestra: Filipenses trata da felicidade em Cristo; Colossenses, de Cristologia; Efésios, de Eclesiologia, Filemom, do fugitivo, que foi Onésimo. Veremos, então, a mensagem de cada uma dessas epístolas.

EFÉSIOS

Apesar de não ser a mais longa epístola de Paulo, é considerada a mais profunda, a "Rainha das Epístolas de Paulo".

Observamos que há um paralelismo entre Colossenses e Efésios, vejamos, pois: principados (Cl 1:16 e Ef 1:21); ministério (Cl 1:26 , e Ef 3:3-4); renovação (Cl 3:10 e Ef 4:23; vida doméstica (Cl 3:18-4:6 e Ef 5:22-6:9); Tíquico (Cl 4:7 e Ef 6:21; prisioneiro (Cl 4:3,10 e Ef 3:1, 6:20).

1. AUTOR: O apóstolo Paulo (Ef 1:1; 3:1)

2. DESTINATÁRIO: Por vários motivos é considerada uma carta circular, uma "encíclica", destinada a circular entre as igrejas da província romana da Asia, onde Éfeso era a maior cidade e a capital administrativa: A) As palavras "em Éfeso" não constam no manuscrito mais antigo, nem nos dois manuscritos antigos mais dignos de confiança, o Sinaítico e o Vaticano. Há evidência que a palavra Éfeso, foi adicionada no fim do 4º século. B) A carta é a mais impessoal de todas as cartas de Paulo. Não há nenhuma saudação pessoal. Será que Paulo escreveria assim para uma igreja que ele mesmo fundou e onde ele passou três anos de ministério? C) Segundo Ef 1:15 e 3:2, parece que Paulo não conhecia os recepitores da carta. Porém Éfeso ele conhecia , observemos, pois as provas: Primeira visita- At. 18:18-21; segunda visita, quando o Espírito foi dado aos crentes-At.19:2-7; continua seu trabalho-At. 19:9-20; conflito com os artífices, At. 19:23-41; palavra aos anciãos de efésios, At. 20:17-35

3. PROPÓSITO: Nas igrejas primitivas os judeus convertidos tendiam a serem exclusivistas e a separar-se de seus irmãos gentios. Esta situação pode ter motivado o apóstolo a escrever esta carta, chamando-os à atenção sobre a unidade da igreja.

4. PORTADOR DA CARTA:Tíquico (Ef 6:21,22), e talvaz Onésimo (Cl 4:7-9).

5. TEMA: Unidade em Cristo, o Cabeça da Igreja universal.

6. TEXTO CHAVE: 4:13

7. ESBOÇO: Introdução 1:1,2

PARTE TEÓRICA-1:3 a 3:21 (Privilégios Espirituais da Igreja)

a) Bênçãos em Cristo-1:3-14

b) Oração pelos santos- 1:15-23

c) Salvação pela graça- 2:1-10

d) União em Cristo- 2:11-22

e) Revelação do ministério- 3:1-13

f) Oração pelos santos - 3:14-2

PARTE PRÁTICA- EXORTAÇÃO-4:1 a 6:20 (Responsabilidades Espirituais da Igreja

a) Andar em unidade e maturidade- 4:1.16

b) Andar em santidade e nova vida - 4:17-32

c) Andar em amor e na luz- 5:1-14

d) Andar em sabedoria e no E.S.-5:15-21

e) Relacionamento matrimonial- 5:22-2

f) Relacionamentos familiares- 6:1-

g) Relacionamentos empresariais- 6:5-9

h) Armadura espiritual de Deus- 6:10-20

Conclusão: 6:21-24

FILIPENSES

(A Epístola de alegria 1:4; 3:1; 4:4)

Filipenses é considerada a mais linda de todas as cartas de Paulo. Nela vemos sentimentos mais nobres do apóstolo Paulo: amor, coragem, humildade, serenidade, intimidade e confiança para com os Filipenses. A Igreja de Filipos foi a que se mostrou mais atenciosa para com o apóstolo, no que diz respeito a "dar e receber"(Fl 4:15).

1. CURIOSIDADE: É curioso notarmos que apesar do apóstolo Paulo estar preso, em pobreza (1:13), havendo fingimentos (1:18, oposições (v.28), expectativas de morte (1:20-24), ainda assim, ele pudesse falar de felicidade, contudo é o que nos mostra essa Epístola. Notemos estas expressões: "consolação" (2:1); "alegria" (v.2:2); "regozijo" (v.2:18); "alegrai-vos sempre no Senhor, outra vez digo, alegrai-vos"(4:4).

2. A IGREJA: Foi fundada na segunda viagem missionária de Paulo em meio a muitas perseguições. No início limitava-se as poucas mulheres. Lídia, uma vendedora de púrpura, foi a primeira a se converter, logo depois veio o carcereiro de Filipos e sua família. Este e mais alguns se converteram no início da Igreja (At. 16:12-40).

3. AUTOR: Paulo e Timóteo 1:1

4. PROPÓSITO: Agradecer pela doação em dinheiro dos Filipenses, trazida por Epafodito (2:25; 4:14,18) e expressar sua preocupação quanto alguns problemas na igreja (3:2-4,18,19).

5. MENSAGEM CENTRAL: Jesus Cristo

6. PALAVRA CHAVE: Alegria

7. IDÉIA PRINCIPAL DE CADA CAPÍTULO: A idéia principal de cada capítulo é descoberta dentro de cada versículo chave:

Capítulo 1- Cristo nossa vida. ("Para mim o viver é Cristo" 1:21);

Capítulo 2- Cristo nossa mente. ( "Tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo" 2:5);

Capítulo 3- Cristo nosso alvo. ( "Prossigo para o alvo, pelo premio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" 3:14)

Capítulo 4- Cristo nossa força. ( "Tudo posso naquele que me fortalece" 4:13)

8. ESBOÇO: Introdução-1:1,2 ; Gratidão 1:3-11

1. EVANGELIZAÇÃO- 1:12-30 3. ADMOESTAÇÃO- 3:1-21

a. Apesar da prisão- 1:12-14 a. Contra os judaizantes-3:1-3

b. Apesar dos judaizantes- 1:15-18 b. Para imitar Paulo- 3:4-17

c. Apesar do sofrimento- 1:19-30 c. Contra os mundanos- 3:18-21

2. ABNEGAÇÃO - 2:1-30 4. EXORTAÇÃO- 4:1-9

a. Exortação a abnegação - 2:1-4 a. A união - 4:1-3

b. Exemplos da abnegação - 2:5-30 b. A alegriia e moderação - 4:4-5

1. Exemplo de Cristo- 2:5-18 c. A confiança e nobreza - 4:6-9

2. Exemplo de Timóteo - 2:19-24

3. Exemplo de Epafrodito - 2:25-30 5. GRATIDÃO - 4:10-19

CONCLUSÃO - 4: 20-23

COLOSSENSES

Como já citamos, Efésios e Colossenses têm uma aparência considerável, tanto nos conceitos como na linguagem. Porém cada uma tem sua própria mensagem. Em Efésios é enfatizado a Igreja como corpo de Cristo, enquanto que em Colosssenses é enfatizado Cristo como cabeça da Igreja. Paulo faz uma apresentação de Cristo (1:3-2:3) usando expressões interessantes como: "Imagem do Deus invisível"(1:15); "primogênito de toda criação" (1:15); "cabeça do corpo da Igreja" (v.1:18); "primogênito de entre os mortos" (v.1: 18); "plenitude do pai (1:19); "esperança da glória" (1: 27); mistério de Deus" (2:2); "tesouro de sabedoria" (2:3).

1. AUTOR: O Apóstolo Paulo e Tiimóteo- 1:1

2. TEMA: A preeminência e Supremacia de Jesus Cristo, o Senhor do universo.

3. DESTINATÁRIO: A Igreja de Colossos. Esta Igreja foi estabelecida na época dos três anos que Paulo passou em Éfeso (At. 19:10). Epafras perece ter sido o fundador das igrejas de Hierápolis, Laodicéia e Colossos (Cl 1:7; 4:12). Paulo nuca tinha visitado a igreja pessoalmente (Cl 1:9; 2:1). Epafras era um gentio (Cl. 4:10,11), e a igreja também parece ter sido fortemente gentia (Cl. 1:21, 27), com influência judaica (Cl 2:16,21).

4. CIDADE. Colossenses era uma cidade situada na margem sul do rio Lico uns 160 km ao leste de Éfeso, perto de Laodicéia (16 km ao leste) e Hierápolis (Cl 4:13). A religião original centralizava-se na adoração da deusa "Cibele", considerada a deusa-mãe da terra. Esta religião era cincretista e assim absorvia quaisquer inovações religiosas como a adoração de Isis e Osíris (deuses egípcios), Dionísio (grego), Miltra (indo-iraniana), e Astarte (fenícia). O povo estava acostumado a misturar seus conceitos religiosos.

5. OCASIÃO DA CARTA: Epafras visitou Paulo na prisão e trouxe as informações sobre o progresso da igreja (Cl 1:4-8) e do falso ensino sincretista que estava infiltrando (Cl 2:4,16,18,20). Paulo, então mediante seu amanuense, Tíquico, escreveu esta carta de doutrinamento e exortação quanto a "heresia Colossenses", mandando pela mão do mesmo (Cl. 4:7,8,18).

6. HERESIA COLOSSENSES: Um movimento sincretista, que combinava elementos judaico com aspectos da mitologia e filosofia pagã, esta heresia era precursor incipiente do gnosticismo que se desenvolveu mais completamente no segundo século. O erro foi duplo: 1. Cristologia- a negação da preeminência e plenitude de Cristo como redentor (Cl 1:13-23; 2:2,3,9-15), e 2. Prática- a imposição de um asceticismo misturado de tradições judaicas com filosofias pagãs que tinham seu apelo ao orgulho e intelecto ( Cl 2:8.16,18,20-23).

7. ESBOÇO: CRISTO A PLENITUDE DE DEUS PARA NÓS

Ações de graça introdutórias ( 1:1-8)

Oração de abertura por "plenitude" e "viver digno" (1:9-14)

1. DOUTRINA- "QUE TRANSBORDEIS"- (1:15-2:23)

Cristo, a plenitude de Deus na criação (1:15-18)

Cristo, a plenitude de Deus na redenção (1:19-23)

Cristo, a plenitude de Deus na Igraja (1:24-2:7)

Cristo, a plenitude de Deus contra a heresia ( 2:8-23)

2.PRÁTICA- "A FIM DE VIVER DE MODO DIGNO"(3-4)

A nova vida - e os crentes individualmente (3:1-11)

A nova vida- e os crentes reciprocamente (3:12-17)

A nova vida- e os relacionamentos domésticos ( 3:18-21)

A nova vida- e as obrigações do emprego (3:22-4:1)

A nova vida- e "os que são de fora" (4:2-6)

Conclusão- 4:7-18

FILEMOM

Com apenas 355 palavras no autógrafo original, esta carta particular de Paulo mostra seu coração cheio de consideração, discrição, graciosidade, e calor afetivo.

1. TEMA: Perdão e restauração

2. DESTINATÁRIO: Filemom, um grande amigo e convertido de Paulo (Fm19), líder de uma igreja em sua casa (Fm 2,7).

3. OCASIÃO: Onésimo, escravo de Filemom, aparentemente havia roubado dinheiro (Fm 18) e fugido para Roma onde ele se converteu sob o ministério de Paulo (Fm 10). Este esravo fútil agora se tornara útil (Fm 11). Porém, Paulo decidiu mandá-lo de volta a Filemom, pedindo perdão e restauração da parte de Filemom através desta carta (Fm 16,17). Há uma tradição que diz que Onésimo se tornou o bispo de Beréia mais tarde.

4. ESBOÇO:

1. Saudação - 1-3 3. Petição de perdão e restauração - 8-22

2. Gratidão por Filemom 4-7 4. Conclusão - 23-25

I E II AOS TESSALONICENSES

As epístolas aos Tessalonicenses são importantes, não somente porque estão entre as primeiras cartas de Paulo, mas também porque revelam muito do caráter do seu ministério e traz muitos ensinamentos sobre a segunda vinda de Cristo.

1. AUTOR: Apóstolo Paulo, tendo como seus companheiros Silvano e Timóteo (1:1).

2. DESTINÁTARIOS: A igreja em Tessalônica

3. CIDADE E O POVO: a) Nome original "Termai", por causa dos mananciais térmicos de lá. Em 315 o nome foi trocado para "Tessalônica" pelo general macedônio Cassandro em homenagem a sua esposa que era irmã de Alexandre o Magno. b) Tessalônica era, a segunda cidade comercial dos gregos, só perdia para Corinto. Era um famoso porto com uns 200.000 habitantes. Atualmente é a cidade Salônica da Grécia moderna.

4. FUNDAÇÃO DA IGREJA: Veja Atos 17:1-10; a) Foi fundada por Paulo durante sua 2ª viagem missionária; b) Composta de Judeus convertidos, gregos devotos, mulheres nobres (At. 17:4), e de muitos gentios vindos do paganismo; c) Paulo ficou lá no mínimo umas quatro semanas (At.17:2), mas provavelmente mais tempo. Trabalhou com suas próprias mãos (I Ts 2:9) para se auto-sustentar. Recebeu duas doações dos crentes de Filipos (Fp 4:16) para seu sustento; d) Paulo saiu por causa do alvoroço causado pelos judeus invejosos (At. 17:5-10).

5. LUGAR DA ESCRITA DAS CARTAS: Depois que Paulo saiu secretamente à noite de Tessalônica, ele foi a Beréia, Atenas, e finalmente Corinto onde ele ficou um ano e meio. Enviou Timóteo e Silas de volta a Tessalônica para verificar o progresso da nova Igreja. Em resposta as notícias recebidas, Paulo escreveu as duas cartas.

6. RELATÓRIO FEITO POR TIMÓTEO: Muitos Tessalonicenses sentiam-se desconsolados pela morte de entes queridos (4:13-17); alguns estavam ociosos (4:11); alguns viviam desordenadamente (5:14); alguns sentiam-se tentados a voltar a prática do paganismo (4:1-18); a perseguição era forte (3:3-4); alguns punham em dúvida os motivos e caráter de Paulo (2:1-12); outros ansiavam por sua presença (3:6)

7. DATA: 52 dC. A segunda foi escrita uns três a seis meses depois da primeira, a fim de esclarecer algumas dúvidas que a primeira carta não conseguiu tirar sobre a volta de Jesus.

I AOS TESSALONICENSES

II AOS TESSALONICENSES

8. TEMA:

A segunda vinda de Cristo ( com encorajamento, instrução e exortação sobre aspectos práticos).

A segunda vinda de Cristo ( com consolação, instrução e exortação sobre aspectos práticos).

9. PROPPÓSITO:

Encorajar- a) os que estavam sofrendo perseguições ( 3:3,4); b) os que estavam confusos quanto aos crentes que já morreram(4:13,18);

Instruir- a) sobre a segunda vinda de Jesus ( 4:13-5:11); b) sobre os motivos e tipo de trabalho que ele realizou entre os Tessalonicenses e do seu amor por eles.(2:1-3:13);

Exortar - a) os que não viviam em santificação e amor (4:1-12); b) os preguiçosos, os insubmissos, etc. (4:11; 5:12-22).

Consolar- os que se encontravam em perseguição (2 Ts 1:5-10);

Instruir- sobre o Dia do Senhor e a 2ª vinda de Cristo ( 2 Ts 2:1-12);

Exortar - os que andavam desordenadamente na igreja ( 2 Ts 3:6-15).

11. ESBOÇO:

Introdução (1:1-4) 1. Recordações (1:5-3:13) a) Da conversão dos Tessalonicenses (2:1-16) b) Do comportamento de Paulo (2:1-16) c) Do trabalho de Timóteo (2:17-3:13);

2. Exortações (4:1-5:22); a) Sobre a santificação e o amor (4:1-12); b) Sobre a 2ª vinda de Jesus (4:13-5:11) c) Sobre a conduta na Igreja ( 5:12-22).

Conclusão: (5:23-28)

Introdudução: (1:1,2)

1. As perseguições dos Tessalonicenses(1:3-12)

2. As manifestações do Anticristo (2:1-17)

3. As exortações à santidade (3:1-15)

Conclusão: (3: 16-18

11.VERSÍCULOS CHAVES: I Ts 2:10; 4:16,17; 5:18; 2 Ts 1:7b-9

 

CARTAS PASTORAIS

( I E II TIMÓTEO; TITO )

A epístola a Tito, juntamente com I e II a Timóteo são consideradas desde o século dezoito como cartas pastorais, indicando assim, a natureza dos assuntos tratados.

Timóteo, ainda um pastor jovem e inexperiente, ficou encarregado da importante igreja de Éfeso. Tendo, pois, necessidade de Paulo escrever-lhe para animá-lo e transmitir-lhe instruções gerais com relação à Igreja.

Tito, era representante apostólico de Paulo, junto às igrejas de Creta; assim como Timóteo ele era um verdadeiro filho na fé. Paulo o havia deixado em Creta a fim de reformar uma igreja fraca e corrupta. Escreve esta carta para reafirmar os objetivos que Tito deve promover (1:5). Veremos pois mais detalhadamente cada uma das três.

I A TIMÓTEO

TITO

II A TIMÓTEO

1. AUTOR DAS EPÍSTOLAS:

O apóstolo Paulo foi o autor das três

2. DATA DA ESCRITA:

Cerca de 66 dC., de Macedônia (talvez Filipos)

Cerca de 66 dC., de Corinto ou Nicópolis (3:12).

68 dC, provavelmente de Roma, do calabouço (prisão mamertina) no final do segundo aprisionamento de Paulo em Roma. No final de sua carreira (II Tm 4:6-18). Aguardava o martírio e a coroa ( 4:6-8).

3. TEXTO CHAVE DAS EPÍSTOLAS:

3: 16

1:5; 3:8

2: 1,2; 3:16; 4: 6-8

4. TEMA DAS EPÍSTOLAS:

Conselhos e exortações a Timóteo quanto a organização, administração, e cuidados pastorais.

Conselhos e exortações com relação a administração, organização,cuidados pastorais, boas obras de uma igreja. Os assuntos tratados nesta carta são semelhantes aos da anterior. Trata do estabelecimento de presbitério e da dificuldade de se alcançar uma boa conduta cristã, no meio dos cretenses, que eram tão viciados.

Exortação à firmeza e fidelidade na vida e no ministério.

5. DESTINATÁRIOS:

Timóteo, verdadeiro filho na fé de Paulo ( I Tm 1:2). Era seu cooperador (At. 19:22; Rm 16:21); filho amado e fiel no Senhor (I Co 4:17; II Tm 1:2); irmão em Cristo e ministro de Deus (ITs 3:2); sincero, sempre buscando o bem dos outros e não de si próprio (Fp 2:19,20); pai grego, mãe e avó Loide, judias (At 16:1-3; IITm 1:5).

Tito. (mesmas características citadas sobre Timóteo). Era um fiel administrador financeiro de absoluta confiança (IICo 12:18); grego de nascimento (Gl 2:3). Foi companheiro de Paulo e de Barnabé numa viagem a Jerusalém (Gl 2:1). Esteve em Roma com Paulo durante o encarceramento deste (II Tm 4:10).

Timóteo ( veja comentário de I a Timóteo)

6. PROPÓSITO:

1. Ajudar Timóteo a refutar os falsos ensinos;

2. Instruir Timóteo acerca da administração e do pastoreio da igreja;

3. Encorajar e desafiá-lo a sã doutrina e vida exemplar

1. Ajudar Tito refutar os falsos mestres; 2.Instruir Tito acerca da administração e do pastoreio da Igreja. 3. Encorajar Tito e pedir que ele viesse a Nicópolis (3:12).

 

1. Informar Timóteo do seu aprisionamento; 2. Desafiar Timóteo à firmeza e fidelidade na vida pessoal e no ministério; 3. Pedir a Timóteo que viesse a Roma o quanto antes.

7. ESBOÇO:

Como já fizemos referência , estas cartas são pastorais, podemos comparar seus conteúdos. Se I a Timóteo focaliza a Igreja e o ministério, Tito prosegue a análise do primeiro assunto (Igreja) e II a Timóteo, do segundo assunto (ministério). Podemos ver isto mais claramente na classificação sugerida por Graham Scroggie, a qual sugerimos também como esboço das três:

PRIMEIRA A TIMÓTEO

1ª PARTE-IGREJA

2ª PARTE-MINISTÉRIO

1. A Doutrina (1: 3-20)

a) Caráter da verdade

b) Comissão de Paulo

2. O culto (2:1-15)

a) Oração

b) Atitudes das mulheres

3. A administração ( 3:1-13)

a) Bispos (pastores, presbíteros)

b) Diáconos

1. Sua atitude (pessoal) (3:14-4:16)

a) Em relação a verdade

b) Em relação ao erro

c) Em relação a todos

2. Sua Obra (Oficial) (5:1-6:19)

a) Deveres para com o rebanho

b) Deveres para com os maus

c) Deveres específicos para com os ricos

   

A TITO

SEGUNDA A TIMÓTEO

ASSUNTO: IGREJA

ASSUNTO: MINISTÉRIO

Introdução (1:1-4)

1. O Governo da Igreja (1:5-16)

a) Sua natureza

b) Sua necessidade

2. O comportamento da Igreja (2:1-15)

a) Preceitos de orientação

b) Poder

3. A Igreja e o Estado (3:1-11)

a) Seus deveres externos

b) Sua disciplina iinterior

Conclusão (3:12-15)

Introdução (1:1-5)

1. Qualidades pessoais para o Ministério

a) Qualidades essenciais (1:6-18)

1. Zelo

2. Coragem

3. Firmeza

b) Disciplina necessária (2:1-26)

1. Deveres para consigo mesmo

2. Deveres para com a verdade

3. Deveres para com a Igreja

 

2. Cumprimento Público do Ministério

a) Mudanças que se aproximam (3:1-17)

1. O mal a ser enfrentado

2. Encorajamento para enfrentá-lo

b) Obrigações finais (4:1-8)

Conclusão (4:9-22)

8. NOME DE ALGUNS FALSOS MESTRES: Himeneu, Fileto, Alexandre ( IITm. 2: 17; 4:14)

 

AS EPÍSTOLAS GERAIS

As epístolas do Novo Testamento se dividem em duas classes: as paulinas, as quais já estudamos, e as gerais, também chamadas "Epístolas Católicas ou Universais".Devemos lembrar que a epístola aos Hebreus é considerada por alguns como paulina, e por outros como geral. Queremos destacar também que a mesma é o marco da divisão dessas classificações (Paulinas e Gerais). Estas cartas são chamadas gerais porque os destinatários das mesmas não estão especificados como o são nas de Paulo. Tiago se dirige "...às doze tribos que se encontram na Dispersão..." (Tg 1:1); Pedro, "....aos eleitos que são forasteiros da dispersão, no Ponto, Galácia, Ásia e Bitínia..." (I Pe.1:1); João se dirige aos que puderam ter..."comunhão conosco" (I Jo 1:3); logo depois à "senhora eleita (a Igreja) e aos seus filhos.."( 2 Jo 1:3); e também ao "amado Gaio.."(3 Jo 1:1). Judas, "...aos chamados, amados em Deus Pai, e guardados em Jesus Cristo...(Jd 1:1). Analisemos agora estas cartas:

EPÍSTOLA AOS HEBREUS

(UM DOS MAIORES TRATADOS TEOLÓGICOS DO NOVO TESTAMENTO.)

1. AUTOR: A carta é anônima. Tem sido atribuida a Paulo, Barnabé, Lucas, Apolo, entre outros. Argumentos a favor da autoria de Paulo:

a) O autor era um grande amigo e companheiro de Timóteo;

b) A carta termina com uma bênção típica de Paulo (13:20,21,25);

c) Clemente de Alexandria e as Igrejas orientais geralmente aceitaram a autoria paulina.

d) O apóstolo Pedro faz referência como se Paulo tivesse escrito também para os Hebreus: "E tende por salvação a loganimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada"(II Pedro 3:15). Portanto, Paulo escreveu pelo menos uma epístola à mesma comunidade judaica a que Pedro então se dirigia. Se não foi a Epístola aos Hebreus, qual seria? Onde está? Quais os indícios de outras?

e) O tom apostólico de ensino com autoridade é semelhante ao de Paulo.

2. DESTINATÁRIOS:Judeus (Hebreus) Cristãos.

3. PROPÓSITO: Os Judeus convertidos estavam em perigo de voltar ao judaismo, ou darem muita importância às observância cerimoniais, o autor está advertindo contra a apostasia (3:12; 6:4-6; 10:26-31) e exortando-os à maturidade cristã (5:11-6:2). Tendo como o principal propósito doutrinário mostrar a gloria transcendente da era cristã em comparação com a do AntigoTestamento.

4. TEMA: "A Superioridade de Jesus Cristo".

5. PALAVRA CHAVE: Melhor,superior ou perfeito. A palavra grega "kreisson" (kreitton), que significa "mais forte, mais poderoso, mais excelente, maior, melhor", no sentido comparativo, é usada treze vezes na epístola, veja 1:4; 6:9; 7:7,19,22; 8:6; 9:23; 10:34; 11:16,35,40; 12:24.

6. DATA: 63 e 68 dC. A detruição de Jerusalém em 70 dC não foi mencionada na carta, indicando que ela foi escrita antes desta data. Por ouro lado, a carta não foi escrita muito antes disto pois Timóteo acabou de ser liberto da prisão (13:23), os leitores já eram da segunda geração (2:3), e os primeiros líderes ja haviam falecido (13:7).

7. ANÁLISE DA EPÍSTOLA: A epístola aos Hebreus começa com um tratado, continua como um sermão, e termina como uma carta. Foi escrita no grego mais elevado de qualquer livro do NT. Cita o VT. trinta vezes. É o único livro onde Cristo é representado como Sumo Sacerdote no NT.

Consiste de uma série de comparação entre Jesus Cristo e todo sistema no VT. Intercalados nestes ensinamentos são seis parênteses ou interlúdios que interrompem o desenvolvimento do argumento principal da epístola. Nestes parênteses o autor colocou advertências contra vários perigos na vida cristã. Em toda epístola são treze exortações. Cada uma está no "imperativo da 1ª pessoa plural", ex: temamos, 4:1; procuremos, 4:11; cheguemo-nos, pois com confiança ao trono da graça, 4:16 prosigamos, 6:1; cheguemo-nos, 10:22; guardemos firme, 10:23; consideremo-nos uns aos outros, 10:24; deixemos todo embaraço e corramos com perserverança, 12:1; sirvamos a Deus agradavelmente, 12:28; saiamos, 13:13; ofereçamos sempre sacrifício de louvor, 13:15.

8. ESBOÇO: (transcrito do livro Examinai as Escrituras vol.6.de J. Sidlow Baxter)

CRISTO, "O NOVO E VIVO CAMINHO"

1. JESUS- O NOVO E "SUPERIOR" LIBERTADOR (1-7)

Jesus, o Deus-Homem- superior aos anjos (1,2).

Jesus, o novo Apóstolo- superior a Moisés (3).

Jesus, o novo Líder- superior a Josué (4:1-13).

Jesus, o novo Sacerdote- superior a Arão (4:14-7).

2. CALVÁRIO- A NOVA E "SUPERIOR" ALIANÇA (8-10:18)

A nova aliança tem melhores promessas (8:6-13)

Ela abre um melhor santuário (9:1-14).

Ela é confirmada por um sacrifício superior (9:15-28)

Ela obtém resultado muito superiores (10:1-18).

3. FÉ- O VERDADEIRO E "SUPERIOR" PRINCÍPIO (10:19-13)

Fé, a verdadeira resposta para essas coisas "superiores" (10:19-39)

Ela tem sido sempre reivindicada como tal: exemplos (11).

Deve suportar com paciência, olhando para Jesus (12:1-13).

Deve expressar-se na forma de santidade prática (12:14-13:21)

Conclusão: 13:22-25.

TIAGO

1. AUTOR: Tiago. Este nome ocorre 40 vezes no NT. Comparando podemos reduzir isso para: 1: Tiago, "filho de Zebedeu" e irmão do apóstolo João; 2. Tiago, "filho de alfeu"; 3.Tiago, o irmão do Senhor Jesus. O primeiro deles foi martirizado por Herodes (At 12:2), e não escreveu esta epístola. A igreja cristã atribui este livro a Tiago, filho de José e Maria, e irmão do Senhor Jesus, que se tornou líder da Igreja Primitiva depois do martírio de Tiago, filho de Zebedeu ( At. 12:17; 15:13; 21:18; Gl 1:19; 2:9). De início ele não acreditou em Jesus, mas teve uma revelação especial de Jesus (1 Co 15:7), se converteu e fez parte dos discípulos antes de Pentecostes (At 1:13,14). Ele foi conhecido como "o justo" e foi martirizado em 62 dC por apedrejamento segundo Josefo. Tiago em seus ensinos, apresenta uma semelhança muito grande com nosso Senhor. Uma comparação da epístola com o sermão do Monte revela, pelo menos, doze paralelismo evidentes. Dos 108 versículos 54 são mandamentos.

2. DESTINATÁRIOS: "As doze tribos da Dispersão" eram judeus convertidos (1:18; 2:7; 5:7,8) que moravam fora da Palestina numa dispersão, talvez devido uma perseguição ( At. 8:1; 11:19).

3. TEXTO CHAVE:1:27; 2:26

4. TEMA:"A religião prática". Princípios para a prática cotidiana da verdadeira fé cristã.

5. DATA:Escrita cerca de 45 dC de Jerusalém. Tudo nos leva a crer nesta data, tendo em vista algumas evidências como: a simplicidade da organização eclesiástica (5:14),o ajuntamento na sinagoga (2:2), a expectativa da volta iminente de Jessus (5:7-9).

6. ESTILO:Além de Hebreus e I Pedro, a carta de Tiago está escrita no melhor grego do NT.

7. PROPÓSITO: De todas as cartas do NT., Tiago é a menos doutinária e a mais prática. Muitos classificam-na com a "literatura de sabedoria", junto a Jó, Provérbios e Eclesiastes do VT. O propósito de Tiago, então, é dar instruções, padrões, princípios para o viver diário da verdadeira fé cristã em relação à vida social.

8. ACEITAÇÃO DE TIAGO: A epístola de Tiago foi muito contestada no decorrer dos anos. A Igreja Católica Romana, através do Concílio de Trento em 1546, confirmou Tiago como canônico. Porém,protestantes como Martinho Lutero chamou Tiago "a carta de palha" e colocou-a no final da Bíblia (após 3 João) na sua tradução em Alemão, considerando-a numa categoria secundária. Ele citou algumas razões para considerá-la desta ,maneira: Tiago estava em oposição direta aos ensinamentos de Paulo e o restante da Bíblia, pois atribui a justificação às obras (Tg 2:14-26); Tiago não menciona a paixão ou ressurreição de Jesus, não menciona o Espírito Santo, e se refere a Jesus Cristo somente duas vezes (Tg 1:1; 2:1).

9. ESBOÇO: Não existe um esboço; Tiago é uma compilação de princípios práticos sobre: as provações- 1:2-18; a prática da Palavra -1:19-27; a acepção de pessoas- 2:1-13; a fé e as obras- 2:14-26; a lingua- 3:1-12; a sabedoria- 3:13-18; o mundanismo- 4:1-5; a humildade- 4:6-17; os ricos opressores- 5:1-6; a paciência- 5:7-12; a aflição e a oração- 5:13-18; a ajuda de um irmão- 5:19,20.

EPÍSTOLAS DE PEDRO

 

I PEDRO

 

II PEDRO

1. Autor

"Pedro, apóstolo de Jesus Cristo" (I Pe. 1:1). Apesar da qualidade do grego usado ser elevado demais para um pescador, há evidências que Pedro teve como amanuense "Silvano" (I Pe 5:12).

Pedro (II Pe. 1:1). Evidências: era apóstolo (3:2); era irmão amado de Paulo (3:15). Havia recebido de Jesus Cristo a predição de morte em breve (1:14; Jo 21:18,19) e estava presente na transfiguração (1:16-18; Mc 9:2).

2. Linguagem

Foi escrita num grego excelente. Silas foi o amanuense (I Pe 5:12)

Foi escrita num grego inferior. Provavelmente o próprio Pedro escreveu.

3. Assunto principal

Sofrimento

Hereges gnósticos

4. Palavra e texto Chave

Sofrimento (usado 15 vezes ou mais). Texto: 2:9

Conhecimento (usado 16 vezes ou mais). Texto.1: 20,21

5. Propósito

Encorajar os cristãos dispersos que se encontravam em provações contínuas e ardentes (1:6,7; 3:14,17; 4: 12-19; 5:9). Havia perseguições locais e de menor escala em todo Império Romano. Porém, com o incêndio de Roma no dia 19 de julho de 64 dC, as perseguições mais violentas começaram e ameaçaram espalhar-se por todo o Império. Portanto, Pedro escreveu para encorajá-los, mostrando sua viva esperança em Cristo no meio do sofrimento (1:3,13,21; 3:5,15).

Havia perseguição de fora e subversão por dentro. Portanto, Pedro escreveu para: relembrar (1:12; 3.2); despertar (1:13)¸confirmar (1:12); admoestar (3:1) os cristãos na sua fé em face dos hereges gnósticos que infiltravam na igreja (2:1).

6. Destinatários

Cristãos dispersos nas províncias da Ásia Menor.

Os mesmos que receberam a I de Padro (II Pe 3:1)

7. Data da escrita

Provavelmente na época da perseguição de Nero 64 a 65 dC. Pedro foi martirizado por volta de 68 dC; portanto, não poderia ser mais tarde do que isso.

Entre 66 e 68 dC. Foi escrita depois da 1ª de Pedro. Pedro sabia que ia morrer em breve (I Pe 4:13,14). Uma tradição diz que ele morreu no mesmo ano que Nero (9 / 06 / 68).

8. Local da escrita

"Babilônia (I Pe 5:13). Provavelmente não a Babilônia literal do rio Eufrates, pois a cidade estava em ruinas nesta época, com apenas uma colônia de judeus. "Babilônia" era um símbolo oculto para Roma. A tradiçaõ coloca Pedro em Roma no final de sua vida.

A carta não indica, mas provavelmente de Roma , talvez de uma prisão. A tradiçaõ diz que Pedro foi crucificado de cabeça para baixo de acordo com seu pedido, pois não se achou digno de ser crucificado como Cristo, devido a sua negação.

9. Tema

Cristo nosso exemplo e nossa esperança no sofrimento

Conhecimento, crescimento, firmeza e santidade (3:17-18).

10. Semelhança com outra Epístola

Existe uma semelhança de pensamento entre esta carta, com epístola de Paulo aos Romanos e a epístola aos Hebreus.

Existe um paralelo, entre II Tm. e II Pedro. Ambas predizem tempos perigosos para a igreja. a) a predominância dos ensinos falsos, II Tm3:13; 4:3 e II Pe 2:1; b) a corrupção geral da sociedade, II Tm 3:1-7 e II Pe 2:10-22; c) a apostasia vindoura, II Tm 4:3-4 e II Pe 2:2, 20-22. Tanto Paulo como Pedro faz referência a proximidade da morte IITm 4:6 e II Pe 1:14. Existe também um relacionamento com a epístola de Judas, o qual veremos quando estudarmos a mesma.

11. Esboço

INTRODUÇÃO- 1:1-2

1. SAVAÇÃO- A vocação do crente- 1:3- 2:10

1.1. Doutrina da salvação- 1:3-1:12

1.2. Prática da salvação- 1:135

1.3. Crescimento na salvação- 2:1-10

2. SUBMISSÃO- A conduta do crente- 2.11-3:13

2.1. Submissão nas relações civis- 2:11-17

2.2. Submissão nas relações sociais- 2:18-20

2.3. Submissão nas relações domésticas- 3:8-13

2.4. Submissões nas relações cristãs- 3:8-13

3. SOFRIMENTO- A disciplina do crente- 3: 14-5:11

3.1. Razões do sofrimento - 3:14-22

3.2. Efeito do sofrimento - 4:1-11

3.3. Atitude ao sofrimento - 4:12-19

3.4. Aperfeiçoamento ao sofrimento - 5: 1-11

CONCLUSÃO - 5: 12-14

INTRODUÇÃO - 1:1,2

1. O CRESCIMENTO NA VIDA CRISTÃ - 1:3-21

2. OS HEREGES NA IGREJA CRISTÃ - 2:1-22

2.1. Seu aparecimento - 2:1-3

2.2. Seu julgamento - 2:4-9

2.3. Seu caráter ímpio - 2:10-22

3. A VINDA DO SENHOR E A SANTIFICAÇÃO CRISTÃ - 3: 1-18

3.1. A vinda de Jesus negada - 3:1-7

3.2. A vinda de Jesus afirmada - 3:8-10

3.3. A vinda de Jesus aplicada - 3:11-18

 

 

AS EPÍSTOLAS JOANINAS

( I, II, II, JOÃO. O apóstolo João foi o autor das três)

I DE JOÃO

II DE JOÃO

II DE JOÃO

1. DESTINATÁRIOS:

Provavelmente foi uma carta circular as sete igrejas da Ásia. Pois a natureza da carta é muito impessoal.

"A senhora eleita e seus filhos". Alguns crêem que foi uma senhora cristã e sua família; outros acham que foi uma igreja e seus menbros.

"Gaio", v.1. Pode ser Gaio da Macedônia (At. 19:29); Gaio de Derbe (At. 20:4); Gaio de Corinto ( I Co. 1:14); ou outro Gaio.

2. DATA DA ESCRITA

As três foram escrita entre 80 a 90 dC. A heresia conhecida como Gnosticismo tinha infiltrado nas igrejas (I João 4:1-6). Os mestres hereges pertenciam anteriormente à comunidade cristã, mas não haviam sido crentes reais (I João 2:19), pois: 1) sua negação da encarnação de Cristo na pessoa de Jesus (I João 2:22; 4:3); 2. Sua iniquidade (I João 1:6-10); 3. sua falta de amor ( 4:7-13,20,21), mostraram que eles eram do espírito do anticristo (2:18.22).

3. LUGAR DA ESCRITA

De Éfeso. Segundo Policarpo, um Seguidor de João que disse que ele viveu e morreu em Éfeso. João, depois da morte de Maria, mãe de Jesus, pareceu ter-se mudado de Jerusalém para Efeso.

4. TEMA DAS EPÍSTOLAS

A verdadeira fé e pratica Cristã

Cuidado com os gnósticos

Problema na liderança da igreja

5. PALAVRAS CHAVES DAS EPÍSTOLAS

"Conhecer", "saber"= usada 40 vezes na epístola. Outras: amor, luz, vida, verdade, mundo, permanecer, mandamento.

"Verdade" (aparece 5 vezes), referindo-se principalmente às Escrituras, a verdade revelada. Amor (aparece 4 vezes).

"Verdade"(ocorre 6 vezes).

6. PROPÓSITO DAS EPÍSTOLAS

1. Para completar o gozo dos receptores (1:4); 2. Para acautelar contra o pecado (2:1); 3. Para advertir contra a heresia gnóstica (2:26); 4. Para afirmar a vida eterna aos que crêem em Jesus Cristo (5:13).

Acautelar os receptores do perigo dos enganadores que ensinavam que Jesus não veio na carne e que iam além dos ensinamentos de Cristo.

Carta muito pessoal. Elogiar os líderes Gaio e Demetrio que andavem, na verdade; reclamar contra o líder orgulhoso e mandão chamado Diótrefes.

7. ESBOÇO DAS EPÍSTIOLAS

VERDADEIRA VIDA

1. Deus é Luz - cap 1,2;

2. Deus é amor - cap 3,4;

3. Deus é vida - cap 5.

VERDADEIRA DOUTRINA

1. Recebida alegremente- cap 1-6;

2.Conservada perseverantemente - 7-12.Conclusão: 13

VERDADEIRO PRESBÍTERO

1. Reconfirmação de Gaio 1-8;

2. Recondenação de Diótrefes - 9-10; 3. Recomendação de Demétrio 11,12.Conclusão:13-15

8. PARALELISMO DE I JOÃO COM EVANGELHO SEGUNDO JOÃO

VOCABULÁRIO

JOÃO

I JOÃO

Luz - trevas

1:4,5; 8:12

1:5,7; 2:9

Vida - morte

3:16; 5:24

3:14-16; 5:11-13

Amor - ódio

13:34,35

2:10,11;3:14,15; 4:8,16

Novo Mandamento

13:34

2:8; 3:11,22-24; 5:3

Permanecer

15:4,5

2: 24,28; 3:6

9. TRÊS MARCAS DO VERDADEIRO CRISTÃO, COM BASE EM 1 JOÃO

1. Ama os irmãos (3:23)

2. Obedece os mandamentos de Deus (2:3-8; 3:23-24)

3. Não tem o hábito de pecar (3:4-9).

Amor é uma mandamento (3:23; 4:21; 5:2,3; Jo 13:34, 35). Quem ama: está na luz (2.10); está em Deus (4: 16); tem Deus dentro de si ( 4:12); dá a vida pelos irmãos ( 3:16,17); conhece a Deus (4:7); é nascido de Deus ( 4:7 ); Deus, ama seu irmão (4:21).

O verdadeiro crente pratica a justiça (2:29; 3:10). E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o e não guarda os seus mandamentos.. ....(2:3-8).Mandamentos de Deus são resumidos (3:23-24).

O crente não peca habitualmente, ainda que intencionalmente às vezes; o princípio dominante é para a santidade e não na direção do pecado (I Jo 3:6,9). Os verbos usado são particípios ou infinitivos presentes que indicam uma ação contínua.

10. ALGUNS ENSINAMENTOS EM I JOÃO

DEUS

JESUS

MUNDO

É luz, santo, sem qualquer trevas (1:5); amor, sem qualquer ódio (4:7-10, 16); fiel (1.9); justo (1:9; 2:1,29; 3:7); puro (3:3); invisível (4:12).

Verdadeiro homem (1:1; 4:3); verdadeiro Deus ( 1:1; 2:22; 5:1); o salvador (4:14); sem pecado (3:5); advogado (2:1); propiciaçaõ (2:2; 4:10); a vida eterna (4:9; 5:11-13); justo (2:1).

Passageiro (2:15-17); hostil (3:1,13); ambientes dos hereges (4:4,5); vencido pelo crente (5:4); jaz no maligno (5:19).

Concluimos estas três epístolas com um desafio para todos nós com base no ítem 9: as marcas do verdadeiro cristão. Amar a Deus e o próximo, obedecer a Deus e rejeitar o pecado.

JUDAS

1. AUTOR: Provavelmente Judas, irmão de Tiago. Irmão de Jesus; compare Mc. 6:3; Gl. 1:19.

2. DESTINATÁRIOS: "chamados, amados, guardados"- esta é a única informação que temos. Entendemos que a mesma tinha por fim uma circular geral.

3. DATA: Indeterminada, mas provavelmente por volta de 65 a 70 d.C.

4. LOCAL DA ESCRITA: Totalmente desconhecido; não há menção em Judas nem tradição na história da Igreja Primitiva.

5. TEXTO CHAVE: v. 3,4.

6. PROPÓSITO PRINCIPAL: foi escrita antes de tudo para advertir a Igreja contra os mestres imorais e as heresias alarmantes que estavam pondo em perigo a fé dos crentes.

7. TEMA: Batalhar pela fé.

8. CITAÇÃO DE LIVROS APÓCRIFOS: é o único livro do Novo Testamento, que cita os livros apócrifos. Há uma citação direta (v. 14, 15) do livro de Enoque , e uma citação possível (v.9) do livro de Assunção de Moisés. Esta epístola não deve ser rejeitada na base destas citações, Paulo também citou as obras de escritores pagãos (At. 17:28; Tt. 1:12). Judas ao citar estes livros, não atribuiu a eles o nível de Escrituras inspiradas. Tertuliano aceitou Enoque como "Escritura", porque Judas citou Enoque. Apesar de todas essas considerações "Judas foi aceito cedo no cânon do Novo Testamento. Clemente de alexandria, Tertuliano, Orígenes, Atanásio e o concílio de Cartago aceitaram este livro.

9. PARALELISMO ENTRE JUDAS E II PEDRO

II PEDRO

ASSUNTO

JUDAS

2:1

Falsos mestres

1:4

2:4

Anjos que pecaram

1:6

2:6

Sodoma e Gomorra

1:7

2:10

Contaminados e atrevidos

1:8

2:11

Contenda de anjos

1:9

2:15

Animais irracionais

1:10

2:17

Caminho de Balaão

1:11

2:18

Nuvens levadas

1:12,13

3:2-5

Falando coisas arrogantes

1:16

3:2

Lembrai-vos das palavras

1:17

3:3

Escarnecedores dos últimos tempos

1:18

10. ESBOÇO:

1. Introdução 1-4

1.1. Saudação 1,2

1.2. Propósito 3,4

2. Condenação dos ímpios 5-16

2.1. Apóstatas do passado 5-7

2.2. Hereges do presente 8-16

Exortação dos Fiéis 17-23

Bênção 24,25

Neusa Rocha de Souza

Bel em Teologia