ENTENDENDO A DEPRESSÃO

 

John White, no seu livro As Máscaras da Melancolia, cita a escala de Zung, para medir a depressão.                      

Escala de Zung para Auto-avaliação da depressão

 

 

Situações

Quase

Nunca

Algumas

vezes

Boa parte

do tempo

A maior parte do tempo

01. Sinto-me abatido e triste.

1

2

3

4

02. De manhã é quando me sinto melhor.

4

3

2

1

03. Tenho crise de choro ou vontade de chorar

1

2

3

4

04. Tenho dificuldade em dormir à noite.

1

2

3

4

05. Como tanto quanto comia antes.

4

3

2

1

06. Percebi que estou perdendo peso.

1

2

3

4

07. Tenho problema de prisão de ventre.

1

2

3

4

08. Meu coração bate mais depressa do que antes.

1

2

3

4

09. Fico cansado sem nenhum motivo.

1

2

3

4

10. Minha mente está lúcida como antes

4

3

2

1

11. Tenho a facilidade de antes para fazer as coisas.

4

3

2

1

12. Sinto-me inquieto e não consigo ficar parado.

1

2

3

4

13. Tenho esperanças em relação ao futuro

4

3

2

1

14. Sinto-me mais irritado do que de costume

1

2

3

4

15. Acho fácil tomar decisões.

4

3

2

1

16. Sinto-me útil e necessário.

4

3

2

1

17. Minha vida é bastante compensadora.

4

3

2

1

18. Acho que seria bom p/os outros se eu morresse.

1

2

3

4

19. Gosto das coisas em geral como antes.

4

3

2

1

 

Anote suas notas na margem direita e some-as. As notas devem ser interpretadas desta forma:

20-22:  Você é super saudável;

23-29: Você esta sentido um pouco de depressão;

30-39: Você está enfraquecido constantemente por um baixo nível de depressão (ou esgotamento) e precisa de alguma ajuda ou, no caso de esgotamento, de algumas mudanças sérias em sua vida;

40-59: Você está sendo seriamente debilitado pela depressão (ou esgotamento) e precisa de aconselhamento e ajuda espiritual;

60-76: Você está praticamente paralisado pela depressão (ou esgotamento)  e precisa de aconselhamento e ajuda espiritual urgente e profunda, provavelmente precisando de terapia profissional ou cura interior.

A depressão tem sido chamada de “gripe” da psicologia, por ser tão freqüente e comum. A depressão é reconhecida por muitos como a reação emocional dominante de nossa época. A depressão é tão comum e tão complicada, que é difícil definir. A maioria dos livros que trata da depressão, da ira ou medo não define essas palavras. É mais fácil descrever os sintomas da depressão, do que defini-la. Então, como leigo (quanto à psicologia), estou oferecendo a definição abaixo. Tem suas limitações; talvez você encontre uma forma de melhorá-la.

Depressão é o peso emocional esmagador de sentir-se sem esperança e incapaz de lidar com a vida.

A depressão não é maligna ou pecaminosa em si. É parte normal da vida humana, mesmo na vida de gigantes espirituais. Considere, por exemplo, os Salmos 6; 31:9-13; 42; 69:1-3,20; 77:1-9; 88; 102;  109:22-25; 107. A palavra depressão não se encontra na Bíblia; a mais próxima seria aflição. Jó descreve sua dor por haver perdido quase tudo, estar sofrendo de uma doença terrível e estar rodeado por amigos e uma esposa que o condenavam injustamente. Eclesiastes expressa o coração de uma pessoa deprimida e distante de Deus, agnóstica, e quase atéia. Lamentações descreve uma depressão coletiva, um grito de dor demonstrando o final da esperança dos judeus, quando o templo foi queimado. Em outros pontos da Bíblia, Moisés (Nm 11:10-15), Elias (I Rs 19:4 ) e Jonas (Jn 4:1-3) chega a tal desespero que pede a Deus para tirar-lhe a vida.

Tais exemplos, acompanhados de numerosas referências à dor do sofrimento, mostram o realismo que caracteriza a Bíblia. Mas este desespero realista é contrastado com uma certa esperança. Cada um dos crentes que afundou na depressão, eventualmente livrou-se dela e experimentou uma alegria nova e duradoura. A ênfase bíblica é menor no que se refere à depressão, demorando-se mais na fé em Deus e na certeza de uma vida abundante no céu, ou até mesmo nesta terra. A oração confiante de Paulo a favor dos Romanos irá algum dia ser respondida para todos os cristãos: “E o Deus da Esperança vos encha de todo o gozo no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo” (Rm 15:13).  

(Transcrito do livro Introdução à Cura Interior. KORNFIELD, David. Editora Sepal.)

 

Por que ficamos deprimidos?

 

Depressão é uma enfermidade complicada porque ela não tem apenas uma, duas ou três causas. Existem muitas delas, que facilmente vão se misturando e se acumulando para torná-la mais complicada ainda. Gary Collins indica sete fontes da depressão no livro Aconselhamento Cristão, (capítulo sete; págs 73-85), da Editora Vida Nova, às quais acrescentei mais uma:

1. Causas Físico-Hormonais - a depressão freqüentemente tem origem física. A falta de sono e uma alimentação imprópria estão entre as causas físicas mais simples. Outros fatores, mais complicados, seriam: o efeito de entorpecentes, diabetes, desequilíbrio de hormônios (como por exemplo: problemas com a tiróide ou a menopausa) e tumores cerebrais;

2. Causas Ambientais ou Externas - experiências negativas na infância, especialmente por rejeição ou abuso, podem levar a depressão na vida adulta. Tais experiências também levam o adulto a depressão, especialmente se seu sentido de valor e significado é ameaçado ou destruído. Para os homens, isso comumente acontece quando ficam desempregados por um longo período. Mulheres têm maior tendência à depressão, quando os maridos não as valorizam ou apoiam. Também quando perde um ente querido;

3. Incapacidade Aprendida - quando percebemos que nossas atitudes não estão dando resultados, quando não conseguimos alcançar os nossos alvos;

4. Pensamento negativo - Fixar-se no lado negativo da vida e esquecer-se do positivo leva à depressão;

5. Estresse ou tensão - o estresse intenso ou contínuo suga nossa energia emocional. Moisés chegou ao ponto de estar tão estressado pela dificuldade de liderar o povo de Israel, que pediu a Deus para tirar-lhe a vida;

6. Ira - Isso acontece quando a pessoa se sente frustrada, ressentida e cheia de ira, mas não encontra uma forma de expressar e resolver essa raiva;

7. Culpa (falsa ou real) - quando sentimos que falhamos ou fizemos algo errado, surge a culpa e juntamente com ela a auto-condenação, a frustração, a desesperança e outros sintomas de depressão;

8. A luta contra a carne, o mundo e o diabo - especialmente se perdemos mais do que ganhamos, pode levar-nos à depressão.

 

Quais os resultados da depressão?

 

Desgaste emocional, esgotamento, desânimo ou esgotamento de outros, sentimento de solidão, perda do contato com a realidade. A pessoa que não resolve sua depressão continua carregando um peso esmagador emocional. Diminui sua qualidade de vida, como também, provavelmente, diminuirão os anos de  sua vida.

 

Como superar a depressão?

 

Precisamos fazer três coisas com a depressão: entendê-la, expressá-la e resolvê-la.

1. Entenda sua depressão - Visto que depressão é algo tão complexo, se as pessoas que trabalham com você na área de cura interior não conseguirem discernir suas raízes e liberá-lo, é provável que psicólogos ou psiquiatras possam ajudá-lo. Um bom passo nesse sentido é fazer um check-up físico e ter a avaliação de um médico. Uma vez que a raiz é discernida, uma equipe de cura interior geralmente poderá ajudar, exceto em caso de raízes físicas. É bom lembrar que a cura consta de um processo, às vezes, demorado. Raras vezes experimentamos mudanças milagrosas instantâneas.

2. Expresse sua depressão - É muito importante expor o que estamos sentindo sem acusar o outro de ser o responsável por nossas emoções. Temos que nos responsabilizar por elas e encontrar  o ambiente onde possamos expressá-las livremente. Pode ser em um grupo de apoio, pode ser em seu diário espiritual, onde você se expressa a Deus, ou pode ser com um bom amigo, um conselheiro, seu cônjuge ou alguém em uma equipe de cura interior. O importante é encontrar alguma forma de se expressar na qual você possa ficar à vontade. Sem se expressar, será difícil passar para o terceiro passo que é resolver a depressão.

3. Resolva sua depressão - Collins coloca as seguintes recomendações: 1) Procure abordagens Médicas;  2) Avalie as causas;  3) Estimule o pensamento realista;  4) Mude seu ambiente;  5) Proteja-se de si mesmo (não tome decisões sérias e duradouras quando estiver nas garras da depressão); 6. Procure um grupo de apoio; 7) Estenda a mão;  8. Procure estar em forma;  Eu quero acrescentar à esta lista algo que considero fundamental — buscar em Deus a cura.

 

Neusa Rocha de Souza

Bel em Teologia

neusabello@ig.com.br

 

(Transcrito do livro Introdução à Cura Interior. KORNFIELD, David. Editora Sepal.)

VOLTAR