O CASAMENTO MISTO

O Senhor, estabeleceu condições definidas com respeito à pessoa com quem o crente deve se casar. A Bíblia, indica claramente que o casamento do povo de Deus deve ficar limitado aos da mesma fé. A pessoa crente não deve casar-se com alguém que não faça parte do povo de Deus.

1. Os Ensinamentos do Velho Testamento

O Velho Testamento, contém exortações suficientes para confirmar que não devemos nos casar fora do povo de Deus (Deut 7:3-4).

Não foi permitido ao povo de Israel, que seus filhos se casassem com os filhos de seus vizinhos: cananeus, heteus, zebuzeus, filisteus, moabitas, amonitas, edomitas, sidônios etc, para que não se desviassem seguindo os costumes destes povos na adoração a outros deuses. Salomão cometeu abominação diante de Deus casando-se com mulheres estrangeiras (I Reis 11:1-9).

1.1 O Aviso de Josué

Josué, também avisou sobre o povo da terra, pois isso poderia tornar-se um laço, uma armadilha para eles. Esposas e maridos estrangeiros seriam como espinhos e os amarrariam até que eles fossem destruídos. (Josué 23:12-13).

1.2 A Volta de Neemias

Quando Neemias retornou à terra de Judá, depois de visitar a terra de seu cativeiro, ele descobriu que muitos dos filhos de Israel não podiam falar a língua dos judeus devido aos casamentos mistos que tinham contraído. Neemias contendeu com eles e os obrigou a se separarem completamente das mulheres estrangeiras (Neemias 13:23-27). O grande problema dos casamentos mistos é que mais cedo ou mais tarde os filhos tenderão mais a seguir o pai ou a mãe descrente, e deixarão de servir a Deus com o que é crente. Os casais mistos são testemunhas das lutas e dificuldades para criarem os seus filhos no evangelho.

1.3 A Época de Malaquias

Casar com a filha de um gentio, aos olhos de Deus, significa profanar a sua santidade. Portanto, o casamento cristão fica limitado aos crentes, principalmente aos que professam a mesma fé e ordem. (Malaquias 2:11).

Salomão foi o mais sábio dos reis, contudo, caiu na idolatria através de casamentos com mulheres estrangeiras.

2. O Ensino do Novo Testamento

No Novo Testamento, o apóstolo Paulo, escreve claramente com respeito a quem pode ser a outra parte na união conjugal.

2.1 Uma Palavra Para as Viúvas

Escrevendo a Igreja de Coríntios, Paulo recomendou em sua primeira carta que a mulher está ligada ao seu marido enquanto vive, contudo se vier a falecer o marido, a mulher está livre para casar-se novamente, mas somente no Senhor. (I Cor 7:39).

2.2 Não Vos Ponhais em Jugo Desigual

Paulo, mostra implicitamente com quem o crente deve casar-se, em sua segunda carta a Igreja de Corintios "Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos, porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo? Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nós somos santuário de Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles, serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. Por isso, retirai-vos, diz o Senhor; não toqueis em coisas impuras; e eu vos receberei; serei vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso. Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus" (II Cor 6:14 a 7:1). Para um crente e um incrédulo trabalharem juntos a fim de alcançarem um determinado alvo, seria como colocar juntos dois tipos opostos de animais, sob um único jugo, para ararem a terra. (Deut 22:10). O boi é lento e o jumento rápido. Um quer ir por um caminho e o outro por outro caminho. No caso do jugo desigual entre o crente e o descrente, um vai estar preocupado com as coisas espirituais e o outro com as coisas materiais. Um vai em busca das coisas eternas na direção do céu e o outro nas coisas passageiras do mundo.

2.3 Se For Casado Com Uma Pessoa Não-Salva e Este Quiser se Apartar

Escrevendo aos Coríntios, o apóstolo Paulo responde esta questão dizendo que se um cônjuge não crente quiser se apartar, que o cônjuge crente permita (I Cor. 7:15). A iniciativa da separação nunca deve ser do crente e sim dos descrente. Não é o crente que quer se apartar, mas o incrédulo. É o descrente que está descontente, pensando que não há mais futuro no lar para eles, desde que o crente se converteu ao Senhor. Jesus predisse que haveria problemas na família por causa do evangelho (Luc 12:51-52; 18:29-30; Mat 19:29; Mat 10:34-36).

2.4 Se ele ficar, o Espírito Santo vai trabalhar para sua conversão

Se a esposa ou o marido incrédulo consente em morar com o crente, Paulo diz que este não deve deixar o seu cônjuge. Deus nos chamou à paz. O incrédulo é santificado no convívio com o crente. Pode ser que a esposa ou o marido incrédulo seja salvo (I Cor 7:12-14).

Augusto Bello de Souza Filho
Bacharel em Teologia

VOLTAR